Com o biometano, uma energia não fóssil, a CMA CGM oferece aos clientes uma solução nova e imediatamente disponível, aproximando o Grupo da neutralidade de carbono

(Assessoria de Imprensa)

À frente do pacto global da ONU (UN Global Compact) e como parte das primeiras negociações preparatórias de alto nível para a cúpula da COP26, Rodolphe Saadé, presidente e CEO do Grupo CMA CGM, líder mundial em transporte e logística, apresentou soluções que estarão imediatamente disponíveis e que contribuem para alcançar o objetivo do Grupo de ser neutro em carbono até 2050.

Biometano, uma energia não fóssil e um passo mais perto do transporte marítimo neutro em carbono

O Grupo CMA CGM atingiu mais um marco em seus esforços para ser neutro em carbono até 2050, apoiando a produção de 12.000 toneladas de biometano (equivalente ao consumo de combustível de um ano inteiro de dois navios de 1.400 TEU). Biometano é um gás verde renovável produzido por resíduos orgânicos e vegetais de origem europeia. Esta fonte de energia representa um bom exemplo de como a economia circular pode funcionar enquanto beneficia o setor agrícola. A CMA CGM pretende avançar com o desenvolvimento desta fonte de energia, investindo em instalações de produção de biometano e estudando a viabilidade dos processos de liquefação para que o biometano possa ser utilizado como combustível de navegação.

Ao apoiar a produção de biometano, a CMA CGM está acelerando seu compromisso de liderar a transição energética no setor de transporte marítimo. O Grupo cortou suas emissões globais de CO2 em 4% em 2020, após uma redução de 6% em 2019. Desde 2008, o Grupo reduziu suas emissões de CO2 por contêiner- quilômetro em 49%.

Biometano abastecendo o equivalente a uma linha de navegação

12.000 toneladas de biometano com garantia de origem são suficientes para abastecer o equivalente a dois navios movidos a GNL de 1.400 TEU operando na linha Balt3 do norte da Europa entre São Petersburgo e Rotterdam por um ano inteiro.

O Biometano com Garantia de Origem, juntamente com a tecnologia de energia a gás dual-fuel da CMA CGM, pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa (incluindo CO2) well-to-wake (cadeia de valor inteira) em pelo menos 67%. Em uma base tank-to-wake (em nível de navio), a redução nas emissões de gases de efeito estufa chega a 88% (incluindo CO2).

Uma oferta incomparável de baixa emissão de carbono disponibilizada pelo Grupo CMA CGM

A partir de maio de 2021, os clientes do Grupo poderão selecionar o biometano por meio da gama de serviços ACT with CMA CGM+, abrindo caminho para uma redução substancial do impacto ambiental do transporte de suas mercadorias.

ACT with CMA CGM+ fornece uma gama completa de serviços projetados para permitir que seus clientes analisem, reduzam e compensem sua pegada ambiental. A CMA CGM continuará a adotar os mais recentes avanços tecnológicos para atender às necessidades de seus clientes.

CMA CGM, um compromisso firme e tangível com a transição energética

O Grupo CMA CGM faz uso das tecnologias mais eficazes disponíveis para acelerar a transição de energia na indústria de transporte marítimo e logística. Atualmente, o GNL é a solução ideal já disponível para reduzir a pegada de carbono do transporte e preservar a qualidade do ar. Pode reduzir as emissões de dióxido de enxofre em 99%, as emissões de partículas em 91% e as emissões de óxido de nitrogênio em 92%, indo muito além dos padrões existentes. Em 2022, 32 dos navios do Grupo serão movidos a GNL.

O Grupo CMA CGM está investindo fortemente em pesquisa e desenvolvimento junto com seus parceiros industriais para identificar as fontes de energia do futuro com o objetivo de alcançar um impacto positivo na pegada de carbono de nossos clientes e ajudar a proteger o meio ambiente.

Na ocasião, Rodolphe Saadé, Presidente e CEO do Grupo CMA CGM, declarou: “Cruzamos uma nova etapa com o lançamento da primeira oferta de transporte marítimo com emissão de baixo carbono baseada em biometano. Sabemos que ainda há um longo caminho a percorrer para cumprir os compromissos do Acordo de Paris. Alcançar esses objetivos não depende de uma única solução, mas de um conjunto de iniciativas e novas tecnologias complementares entre si.”