O Brasil precisa conhecer melhor o inestimável serviço prestado à educação nacional, principalmente em um setor em que área pública pouco se dedicou: a formação profissional das atividades essenciais ao setor de serviços e negócios.

Exercendo a presidência da ABIH Nacional posso testemunhar a importância do Sistema S, e de forma específica o SENAC na preparação de mão de obra para o setor hoteleiro, de gastronomia e atividades afins. Se não bastasse o nível de educação prestada, é de se ressaltar o significado da formação de jovens a custos reduzidos, contribuindo para diminuir o déficit de desemprego que atinge nos dias atuais a taxa de 11%, mercês da ausência de qualificação do trabalhador brasileiro.

Nesta hora em que o governo busca o aquecimento da economia, necessário se faz apoiar a iniciativa privada, em áreas como a do Sistema S para, de mãos dadas alavancarem o nível de preparação de escolaridade e qualificação profissional de jovens e adultos.

A pública administração está convidada a visitar e conhecer de perto resultados, bem expressos em pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria em que atesta quanto mais o brasileiro conhece o Sistema S, mais o aprova. Entre os entrevistados, mais de 94% considera ótimo ou bom e o SESI obteve 91%. O SENAI em seus 76 anos de existência já formou aproximadamente 73 milhões de trabalhadores para o Brasil.

Digno de registro, a ação desenvolvida pelo SEBRAE no setor do turismo no biênio 2017/2018 na ordem de 93 milhões em 149 projetos destacando-se o “destino turístico inteligente”. Dos clientes atendidos, 90% das empresas são pequenos negócios. O Ceará em 2018 teve seis projetos de turismo aprovados com investimento de 57 milhões.

Muito mais poderia afirmar em apoio ao Sistema S, nesta hora em que o governo se debate com os elevados custos da pública administração, em direcionando seu foco para apoiar iniciativas deste porte, estimulando os que fazem a riqueza nacional, investindo em educação, cultura e emprego, recebendo o aplauso da população.