Pin It

O Ministério de Turismo publicou uma nota de pesar na última segunda-feira (04), por volta das 17h30, lamentando o falecimento de Paulo Gaudezani, ex secretário da cultura e do turismo. Confira abaixo:

"O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, lamenta profundamente o falecimento do ex-secretário de Cultura e Turismo da Bahia, Paulo Gaudenzi, um dos responsáveis pela estruturação da atividade turística no estado. Considerado referência nacional do setor, o empresário deixa três filhos. "Ele foi um visionário, liderando movimentos importantes para alavancar o mercado baiano de Viagens. Um ícone profissional e humano, que escreveu sua história marcando também a história do turismo brasileiro. Meus profundos sentimentos aos familiares, amigos e à Bahia por essa perda”.

ACM Neto lamenta a morte de Paulo Gaudenz

O prefeito ACM Neto lamentou nesta segunda-feira (4) a morte do ex-secretário e empresário Paulo Gaudenzi. “Referência no Brasil no segmento turístico, Paulo Gaudenzi sempre teve uma relação carinhosa com a minha família, especialmente com meu avô, o senador Antonio Carlos Magalhães”, disse o prefeito. ACM Neto afirmou também que o trabalho de Paulo Gaudenzi à frente da Bahiatursa contribuiu muito para projetar a Bahia no Brasil e no mundo. “Ele (Paulo Gaudenzi) foi um inovador, sempre dedicado às causas do nosso Estado. Aos familiares e amigos de Paulo Gaudenzi, os meus sentimentos. Que Deus dê forças a todos neste momento de profunda tristeza”.

Salvador Destination também fala sobre Paulo Gaidenzi

O Brasil, em especial a Bahia, acaba de perder sua maior referência no segmento turístico. O ex-secretário de Cultura e Turismo do Estado e atual vice-presidente da Salvador Destination, Paulo Gaudenzi, nos deixou nesta segunda-feira, 4. Paulo estava internado no Hospital Português, onde faleceu aos 74 anos. "É um momento de muita dor. Quem conviveu com Paulo, com seus ensinamentos e exemplo, entende a tristeza e a grande perda que sua partida significa”, frisa emocionado o presidente da Salvador Destination, Roberto Duran.

O ex Ministro Caio Carvalho fala sobre Gaudenzi

Hoje perdi um amigo de ideais e lutas que deu sua vida pela sua terra Bahia e muito fez pelo nosso Brasil nossa cultura , nosso Turismo e seus destinos : Paulo Gaudenzi !
Em 2003 tive a alegria dele me pedir que prefaciasse seu livro o que o fiz no texto abaixo que ainda assim não faz jus a tudo que ele foi para aqueles que com ele conviveram e o conheceram . Dele guardarei momentos diversos e inesquecíveis e guardo em casa a imagem barroca de Nossa Senhora com a qual me presenteou :
OPERÁRIO DO TURISMO.

Conheci Paulo Gaudenzi em 1984 durante o Congresso da ABAV que naquele ano se realizou na Bahia. Acabara de assumir o cargo do Coordenador de Turismo do Estado de São Paulo, e participava do meu primeiro grande evento do turismo nacional. Foi o saudoso e querido amigo comum, jornalista Joel Lóes, o primeiro a elogiar os passos que começavam a ser dados na Bahiatursa, por esse ilustre “baiano brasileiro”.


Editor durante 25 anos do jornal “O Estado de S. Paulo”, Joel, como ninguém, era crítico mordaz dos aventureiros que se atreviam a exercer cargos nos organismos oficiais de turismo. Por isso, chamou-me a atenção o fato de, àquela época, ele eleger a Bahiatursa e seu presidente como diferenciais para uma estatal de turismo. Não demorei muito a entender o porquê...


Eram tempos em que falar de turismo como fato econômico e social, era raro. Planejar era uma palavra desconhecida e desprezada pelo setor turístico, como honrosas exceções.
Mas foi em 1984 que começamos uma grande amizade. Aprendi a admirar mais que o amigo, o homem público diferenciado, competente e idealista. Além disso, ele foi um pioneiro na técnica de estudar as tipicidades do turismo brasileiro. Com ele aprendi a encarar o turismo como negócio sério, e a admirar sua capacidade de formar uma equipe técnica vibrante e competente, que veste com garra a camisa e os interesses do turismo da Bahia.


Costumo brincar ao apresentá-lo a desconhecidos dizendo tratar-se do homem que inventou a “baianidade”, e aquele que transformou sua Bahia, num grande e carismático destino turístico, nacional e internacional.


Seria injusto deixar de citar aqui a figura do então Governador Antônio Carlos Magalhãe. Foi ele quem acreditou no trabalho de Paulo Gaudenzi, ele deu os instrumentos essenciais para implementar seus projetos.


Não foi nada fácil chegarmos aos dias de hoje. O turismo vive um grande momento no país. A sociedade e a grande imprensa finalmente começam a valorizar o potencial turístico brasileiro. Saímos só das colunas sociais e ganhamos espaços nos cadernos econômicos. Jovens disputam nos vestibulares, lugares nos cursos de turismo espalhados em universidades de todo o país. Investimentos em infra-estrutura básica criam cenários para construção de novos equipamentos turísticos em nossas diversas regiões. Temos investimentos privados previstos, de mais de U$ 5 bilhões em novos hotéis e parques temáticos espalhados por todo o país.


E, finalmente, começamos a entender que precisamos, a exemplo da Bahia, transformar nossa matéria prima rica e diversificada, em produtos segmentados e competitivos, priorizando mercados. Produtos que tenham qualidade de serviços, preços justos, criatividade e agreguem diferenciais para que possamos enfrentar a concorrência.
Tenho a certeza que todos os que trabalham direta ou indiretamente no setor, vão adorar este livro. Os estudantes irão dispor de mais de 20 anos de relatos e experiências. “Operário do Turismo – Retalhos de Idéias e Pensamentos” retrata toda uma época da vida nacional, e a luta que poucos, como Paulo Gandenzi, travaram para que pudéssemos chegar a dias melhores.


Ao lê-lo, recordei-me da complexidade do turismo brasileiro. De casos que presenciamos sem que armas tivéssemos para combater o descaso com que governos trataram o nosso turismo. De quantos sacrifícios pessoais os ideais nos obrigaram. Paulo Gaudenzi, mais do que ninguém sofreu com isso.
A história do turismo no Brasil não pode ser escrita sem que o seu nome esteja inserido. Quando escrita por ele, melhor ainda..."