A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA - International Air Transport Association) divulgou os resultados dos mercados globais de carga aérea que mostram que a demanda, medida em quilômetros por toneladas de carga (FTKs), aumentou 1,7% em março de 2018 na comparação com o mesmo período do ano passado. Em relação a fevereiro deste ano, este resultado significa uma queda de 5,0%, o menor aumento em 22 meses.

A capacidade de carga, medida em quilômetros por toneladas de carga disponíveis (AFTKs), teve aumento menor de 4,4% versus 6,3% em fevereiro. Contudo, esta foi a primeira vez em 20 meses que o aumento na capacidade anual ficou acima da demanda.

A forte desaceleração no crescimento deve-se principalmente ao fim do ciclo de reabastecimento, durante o qual as empresas aumentaram seu estoque para atender à alta demanda. O comércio global também apresenta um ritmo menor.

É o que afirma Alexandre de Juniac,  Diretor Geral e CEO da IATA, sobre essa perspectiva de aumento "é normal que o crescimento diminua ao final de um ciclo de reabastecimento. Foi isso que aconteceu. Olhando para frente, continuamos otimistas em relação ao aumento de 4 a 5% neste ano na demanda por carga aérea. Mas obviamente existem alguns fatores contrários. Os preços do petróleo subiram muito e o crescimento econômico é desigual. O maior dano pode ser político. A implementação de medidas protecionistas seria como um gol contra para todos os envolvidos, principalmente para os Estados Unidos e a China".