0
0
0
s2smodern

A Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil, com apoio do Acervo Otávio Roth e o Centro Cultural Correios, inaugura nesta quarta-feira (08/08) a exposição 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, com obras de Otávio Roth. Realizada pela primeira vez no Rio de Janeiro, a mostra apresenta 30 xilogravuras que traduzem os ideais de paz e igualdade defendidos nos artigos do documento. A entrada é franca.

Aprovada em 10 de dezembro de 1948, a Declaração foi construída a partir do esforço conjunto da comunidade internacional para garantir que os horrores da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) – incluindo o holocausto – jamais se repetissem. Considerada a base da luta universal contra a subjugação e abuso de povos, o documento estabelece obrigações para a atuação de governos, de maneira a garantir a proteção de comunidades e indivíduos. Os direitos estabelecidos nos 30 artigos da Declaração são inerentes a todos os seres humanos, independente de raça, etnia, religião, gênero ou nacionalidade.

A Declaração é o documento mais traduzido do mundo – mais de 500 idiomas – e inspirou a Constituição de diversas democracias, incluindo a brasileira. A curadoria da mostra é da filha do artista, Isabel Roth, e tem a produção executiva do Centro de Informação das Nações Unidas no Brasil – UNIC Rio. A exposição fica em cartaz até 09 de setembro e o Centro Cultural dos Correios funciona de terça-feira a domingo, das 12h às 19h. A entrada é franca.

No período da exposição, as representações diplomáticas da Argélia, Canadá, México, Reino Unido e Suíça realizarão eventos paralelos discutindo diversos assuntos relacionados aos direitos humanos, como migração, questão de gênero, ensino. Serão palestras, rodas de conversa e exibição de filmes que ocorrerão sempre no período da tarde, também com entrada franca, mas sujeito à lotação (40 lugares).