Thiago Amâncio (Folhapress)

Com receio de uma entrada massiva de turistas durante o megaferiado de dez dias decretado pela Prefeitura de São Paulo, a cidade de Ilhabela, no litoral norte de SP, vai exigir de turistas um exame RT PCR, para comprovarem que não estão com Covid-19.

O decreto foi assinado na tarde desta terça (23) pelo prefeito Toninho Colucci (PL) e vale a partir das 8h da próxima sexta-feira (26) por 10 dias consecutivos. Os visitantes devem apresentar o resultado negativo do teste realizado com no máximo 48 horas de antecedência. A exigência não se aplica a moradores do arquipélago, às pessoas que já tomaram a segunda dose da vacina contra a Covid-19 e aos trabalhadores de setores considerados essenciais.

A prefeitura ainda pode exigir comprovação de que a pessoa é moradora da cidade (com comprovante de endereço, comprovante de matrícula dos filhos em escola, contrato de locação, carnê do IPTU e título de eleitor) ou que trabalha em atividade essencial (carteira de trabalho, crachá ou contrato).

O decreto autoriza a travessia de veículos de abastecimento e e vinculados aos serviços essenciais, como tratamento de água e esgoto, funerário, coleta de lixo e de imprensa. A ocupação de hotéis e pousadas fica limitada a 50%.

O megaferiado acontecerá porque a prefeitura da capital paulista antecipou cinco feriados deste e do próximo ano, que começarão a valer a partir de sexta-feira, e se juntarão ao feriado da Páscoa, na tentativa de diminuir a circulação de pessoas na cidade. Serão antecipados os dois feriados municipais de 2021 e outros três de 2022. Assim, o recesso começa na sexta (26), continua nos dias 29, 30, 31 de março e 1º de abril, e junta-se ao feriado da Paixão de Cristo (Sexta-feira Santa). Segundo Covas, a medida vai forçar a cidade a ficar sem dias úteis por dez dias. Após a decisão da capital, prefeituras da região metropolitana também decidiram antecipar feriados.

Com isso, outras cidades do litoral paulista tomaram medidas para se precaver contra a entrada em massa de turistas. As nove cidades da Baixada Santista entraram em lockdown nesta terça-feira, com duras medidas de restrição a circulação, transporte público e acesso e funcionamento de serviços, até 4 de abril.

A Prefeitura de Santos fechou o acesso às praias e restringiu a circulação de pessoas e veículos apenas para compra de remédios, aquisição de produtos e serviços essenciais, atendimento ou socorro médico, embarque ou desembarque de terminal rodoviário, atendimento de situações de emergência e atividades físicas individuais, das 5h às 8h e das 17h às 19h30.

O transporte público coletivo estará disponível apenas em dias úteis, das 5h30 às 8h30, e das 15h30 às 19h30, exclusivamente para trabalhadores de serviços essenciais. Quem descumprir as regras em Santos pode ter de pagar uma multa de R$ 300 a R$ 1.000.