Redação

Inverno é uma estação especial, com noites limpas e enluaradas e pede o aconchego que as sessenta e duas suítes, com terraço, frigobar, ar-condicionado, telefone e wi-fi do Eco Resort Foz do Marinheiro oferecem.

Localizado às margens da Represa da Água Vermelha, rodeado por Mata Atlântica preservadas, tem como complemento um céu azul quase turquesa durante o dia, que a noite se cobre com manto escuro salpicado de incontáveis estrelas. Não existe melhor lugar para dar as boas vindas à estação, onde uma programação especial gastronômica com caldos, sopas e fondues farão parte do Festival de Inverno, a partir de 21 de junho.

O Eco Resort Foz do Marinheiro fica no noroeste do estado de São Paulo, na pequena e pacata cidade de Cardoso, refúgio ideal para casais e famílias e seus pets.

Quem busca um espaço romântico, o Eco Resort Foz do Marinheiro tem espaços encantadores e oferece atividades para serem vivenciadas a dois, como passeio de caiaque, pesca esportiva e trilhas monitoradas.

Para quem procura espaço e diversão para toda família, as crianças encontram muita diversão no circuito radical kids, na pescaria esportiva no lago, no passeio de cavalo e de charrete, e se encantam com a fazendinha, onde podem ajudar na ordenha e colheita de ovos, além das atividades em que pais e filhos possam se integrar nas áreas de lazer no geral, como nas duas piscinas, quadra e campo de futebol. O Eco Resort Fazenda Foz do Marinheiro é um oásis de tranquilidade, um lugar para viver momentos inesquecíveis.

Eco Resort Foz do Marinheiro
Rodovia José de Abreu, km 12,5 Zona Rural, Cardoso, SP
Contato:  Celular/WhatsApp (17) 3466-6133       
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Artur Rodrigues (Folhapress)

Em vez de um carro estacionado, uma minipraça com vegetação. No lugar de um canteiro central feito de concreto, um jardim com plantas nativas. Conhecida pelo aspecto cinza, a cidade de São Paulo tem ganhado pequenos respiros verdes. São diversos tipos de jardins construídos pela prefeitura da capital com objetivo de amenizar dois problemas bem paulistanos: a falta de vegetação e as enchentes.

Embora já tivesse nos últimos anos instalado algumas dessas intervenções, a gestão, agora chefiada por Ricardo Nunes (MDB), pretende espalhar pela cidade esse tipo de iniciativa, hoje bastante concentrada na região central. Entre os tipos de projeto estão a criação de vagas verdes (no espaço que seria ocupado por um ou mais carros), jardins de chuva, escadarias verdes, biovaletas e bosques. Na região central, o programa foi batizado de Gentileza Urbana. Até o momento, a cidade teve um total de 164 intervenções do tipo, tentando reaproveitar materiais e usar a mão de obra municipal.

A ideia é complementar as caras e demoradas obras de estruturais de drenagem com alternativas mais rápidas, de microdrenagem. O secretário das Subprefeituras, Alexandre Modonezi, diz que as obras acabam ajudando a resolver o problema de aridez das cidades. "Os jardins de chuva têm como diferencial a capacidade de drenar a água que até então ficava acumulada no asfalto. É mais uma medida para diminuir os pontos de alagamentos", diz. Atualmente estão planejadas 500 obras do tipo, mas o objetivo é conseguir financiamento internacional para chegar a 2.000. A cidade tem hoje 128 jardins de chuva -que são espaços verdes rebaixados, geralmente aproveitando os canteiros centrais da cidade.

A arquiteta da pasta de Subprefeituras Caroline Rodrigues explica que a intervenções começam com a quebra da camada de concreto que impermeabiliza a cidade. As aberturas, de cerca de 60 cm, incluem material de demolição, brita, terra e areia, entre outros. O objetivo da composição é criar o tipo de solo mais permeável possível. "Nesse projeto tomamos como premissa o grande problema de alagamento na cidade. O jardim de chuva é um jardim rebaixado, que capta, limpa e filtra água da chuva", diz. A ideia da prefeitura é reaproveitar o máximo de materiais na construção desses espaços. O material de demolição pode ser o próprio concreto quebrado, e as mudas plantadas são as do viveiro municipal.

O maior jardim de chuva da cidade fica na rua Major Natanael, na região do Pacaembu. Trata-se de um sistema com 11 jardins, com mais de 2.700 m² de área verde, com capacidade de absorver 5% da capacidade do piscinão do Pacaembu. Além desses jardins, na região central um projeto-piloto tem espalhado outras propostas. Até agora, são 23 vagas verdes, em que o espaço da via antes usado como estacionamento vira uma minipraça, com jardim, banco e, em alguns casos, uma mesa de concreto.

Também foram instaladas as chamadas biovaletas (em que parte da calçada passa a ter um espaço para vegetação), escadarias verdes (com espaço para plantas nas laterais) e bosques urbanos (estes, espaços maiores).

Segundo a prefeitura, além de nativas as plantas escolhidas são rústicas, daquelas que resistem tanto aos períodos de muita chuva quanto aos de seca na cidade. O botânico e paisagista Ricardo Cardim diz que medidas nesse sentido ajudam na tarefa de reverter opções adotadas no século passado que visavam apenas os automóveis, às custas de rios e áreas verdes. Para ele, mesmo sendo espaços pequenos, vagas verdes e jardins de chuva podem ser mais eficazes até que praças e parques se adotados como política. "Se São Paulo tivesse uma política de vagas verdes em toda a malha urbana, com jardins de chuva, a gente teria uma floresta urbana mais eficiente, o que ajudaria a diminuir a temperatura da cidade, a evitar ilhas de calor e tempestades fortes, e a aumentar a qualidade do ar", diz ele, acrescentando que a medida também ajudaria no combate à escassez hídrica.

Cardim alerta, porém, que é preciso que haja árvores nos espaços -o que nem sempre acontece. "Na minha opinião, essas medidas são eficazes de verdade com árvores. Aí é que se tem biomassa, matéria para causar benefícios ambientais impactantes. É importante também que sejam plantas nativas da cidade de São Paulo", disse.

O Museu Casa de Portinari, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do Governo do Estado de São Paulo, gerida pela ACAM Portinari, comunica que abrirá ao público a partir desta terça-feira (8).

De terça a domingo, o espaço cultural estará aberto das 11h às 16h, seguindo todos os protocolos de segurança sanitária para seus funcionários e visitantes. Às segundas-feiras, o Museu é fechado para manutenção e limpeza.

As atividades educativas e culturais e o tour virtual, também estão disponíveis de forma on-line pelas redes sociais e site (www.museucasadeportinari.org.br/culturaemcasa).

Em decorrência das medidas de restrições decretadas em Tupã - para a contenção da proliferação da Covid-19 -, o Museu Índia Vanuíre, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do Governo do Estado de São Paulo, gerida pela ACAM Portinari, comunica que estará fechado a partir deste sábado (12).

A recomendação é de restrição total de atividades não essenciais. Não há previsão de reabertura.

As atividades educativas e culturais e o tour virtual continuam disponíveis de forma on-line pelas redes sociais e site (@museuindiavanuire e www.museuindiavanuire.org.br/culturaemcasa)