Por: Daniele Madureira 

O presidente da Gol Linhas Aéreas, Paulo Kakinoff, que comandou a companhia nos últimos dez anos, está de saída. Em 1º de julho, o atual diretor-executivo de operações (COO, na sigla em inglês), Celso Ferrer, assume o comando da aérea.

Kakinoff passará a integrar o conselho de administração da Gol. "É uma satisfação encerrar um ciclo entregando o manche a um executivo que você sabe que é muito mais competente do que você, como é o caso do Celso", disse Kakinoff ao jornal Folha de S.Paulo.

"Ele tem 17 anos de Gol, trabalhamos lado a lado durante os últimos sete anos. Esta é a conclusão do processo de transição que foi desenhado três anos atrás", afirmou.

Segundo Kakinoff, a Gol se dedicou a cumprir uma das etapas mais delicadas da governança corporativa, que é a mudança de comando, com preparação, desenvolvimento e concretização da sucessão.

"Estou muito feliz e bastante orgulhoso dessa trajetória", diz o executivo, 47, que fez carreira na indústria automobilística antes de chegar à Gol. Trabalhou durante 16 anos no grupo Volkswagen, de onde saiu em 2012, como presidente da Audi no Brasil.

Kakinoff segurou o "manche" da Gol no momento mais delicado do setor aéreo no mundo. Durante a pandemia, houve demissão em massa em diversas companhias aéreas, inclusive no Brasil. A opção da Gol foi manter todos os funcionários.

Em entrevista no começo do ano, Kakinoff afirmou que um dos momentos mais duros de 2021 foi reduzir a malha aérea na segunda onda da Covid, depois de todos acreditarem que o pior já tinha passado e que o retorno seria gradual.

"Isso exigiu um nível de sacrifício muito importante de toda a equipe, que passou por tudo muito unida. Adotamos um lema: 'Ninguém desembarca'", disse Kakinoff, à época.

Nenhuma das 14 mil pessoas da equipe foi demitida. Para isso, foi preciso reduzir os salários de todos em até 50%, e os da diretoria, em até 70%, até dezembro de 2021.

Em nota, Constantino Júnior, presidente do conselho de administração da Gol, afirmou que vem acompanhando de perto a transição e que Kakinoff "continuará aportando seu enorme know-how, agora como conselheiro."

No último dia 11, a companhia anunciou a criação de uma holding com a colombiana Avianca, o grupo Abra, que vai controlar quatro companhias áreas de baixo custo na América Latina: Gol, Avianca, Viva (Colômbia) e Sky (Chile).

Novo presidente entrou na Gol como estagiário O novo presidente da Gol, Celso Guimarães Ferrer Junior, 39, entrou há 17 anos na companhia, como estagiário.

Desde 2019, é COO da Gol, responsável pelas áreas de operações, segurança operacional, aeroportos, planejamento, malha, suprimentos e frota.

Antes disso, foi vice-presidente de planejamento por cinco anos, onde acumulou experiência em formação de preços e alianças.

Formado em Economia pela USP (Universidade de São Paulo) e em Relações Internacionais pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Ferrer possui MBA Executivo pelo francês Insead.

"É também um experiente piloto de linha área e compõe o quadro de tripulantes da Gol na frota Boeing 737", informou a aérea, em comunicado.
"Celso Ferrer tem em seu plano de voo a missão de liderar os mais de 14 mil colaboradores da Gol na execução do plano estratégico da companhia, com foco especial nas jornadas de desenvolvimento digital, aceleração do processo de renovação da frota, novos serviços a Clientes, sustentabilidade e expansão da malha", diz o texto.

Por: Thiago Bethônico

A companhia aérea australiana Qantas anunciou nesta segunda-feira (2) planos para operar o voo comercial mais longo do mundo a partir de 2025. A rota Sydney-Londres, de 17.750 quilômetros, será feita sem escalas em aproximadamente 20 horas.

Para conseguir percorrer o trajeto -que hoje demanda pelo menos uma escala em Singapura, Hong Kong, Doha ou Dubai- a companhia encomendou 12 aviões Airbus A350-1000.

As aeronaves serão especialmente configuradas para carregar mais querosene e comportar uma área de bem-estar, permitindo que os passageiros façam as atividades necessárias para suportar uma viagem tão longa.

O anúncio integra o Projeto Sunrise (amanhecer, em inglês), que prevê realizar voos diretos partindo da Austrália para várias cidades do mundo, incluindo Nova York, Rio de Janeiro, Paris, Chicago e Frankfurt.

Segundo a companhia, o lançamento dos primeiros voos comerciais diretos ligando Sydney a Londres e Nova York para 2025 será uma solução para o que chama de "tirania da distância".

Atualmente, o voo mais demorado do mundo liga Nova York a Singapura (15.343 km) em cerca de 18 horas. Já o trajeto mais longo em distância é feito pela Cathay Pacific entre Nova York e Hong Kong –que percorre 16.668 km em 17 horas.

Há alguns anos, a Qantas já havia organizado voos de teste para longas distâncias, mas com quantidade limitada de passageiros. Em 2019, o trajeto Londres-Sydney durou 19 horas e 19 minutos, enquanto o voo de teste Nova York-Sydney (16.200 km) durou pouco mais de 19 horas.

Aposta bilionária

Após a pandemia de Covid-19 atrasar os planos, a companhia aérea australiana finalmente oficializou o pedido das 12 novas aeronaves.

Com isso, a Qantas deve desembolsar mais de US$ 2 bilhões (R$ 10 bilhões). De acordo com o catálogo de 2018, último ano em que a Airbus publicou os preços indicativos de seus aviões, o A350-1000 era vendido a US$ 366,5 milhões (R$ 1,8 bilhão). No entanto, a empresa confirmou que conseguiu uma redução significativa no preço da aeronave.

O modelo encomendado é uma versão mais longa e espaçosa do A350-900, e será entregue à Qantas com 238 lugares, 100 a menos do que os normalmente instalados neste modelo.

Os passageiros poderão escolher entre quatro classes (primeira, executiva, econômica premium, econômica), sendo que mais de 40% da cabine é dedicada a assentos premium.

Área para exercício, relaxamento e hidratação

A companhia australiana também prometeu uma classe econômica mais espaçosa e com uma área projetada para movimentar, alongar e hidratar.

Os chamados "espaços de bem-estar" ficarão entre os assentos econômico e econômico premium. De acordo com a companhia, a ideia é que os passageiros possam relaxar, fazer ioga, se hidratar e permitir que o corpo tenha uma melhor circulação sanguínea.

Menos emissões

A Qantas ainda destacou que todas as aeronaves são de última geração e, portanto, garantem uma emissão de CO2 mais baixa.

Atualmente, uma viagem de Sydney a Londres, com escala em Singapura, gera cerca de 6.114 kg de CO2 por passageiro, de acordo com os cálculos da Atmosfair.

"Essas aeronaves e motores mais novos reduzirão as emissões em pelo menos 15% se funcionarem com combustíveis fósseis, e significativamente melhor quando funcionarem com combustível de aviação sustentável [SAF, na sigla em inglês]", afirmou Alan Joyce, CEO da Qantas, em comunicado.

"Este pedido nos aproxima de nosso compromisso de atingir zero emissões líquidas até 2050", acrescentou.

O Procon Carioca, órgão vinculado à Secretaria Municipal de Cidadania, esteve com suas equipes, nos dias 20 e 25 de abril, na área de embarque dos aeroportos Santos Dumont  e Internacional Tom Jobim, realizando atendimento ao público. Nesta segunda-feira (25/4) foram registradas reclamações em relação aos serviços da Gol Linhas Aéreas, que foi notificada a prestar esclarecimentos.

Entre as reclamações dos consumidores, foram relatadas a impossibilidade de realização de check-in online, tendo em vista que o site encontrava-se fora do ar; impossibilidade de check-in presencial, mesmo o consumidor chegando entre 55 e 45 minutos antes do voo e cobrança de taxa no valor de R$ 330,00 para remarcação de voo nos casos acima.

A Gol tem um prazo de cinco dias para enviar os esclarecimentos ao Procon Carioca a respeito das questões reclamadas.

Realizada em parceria com a Infraero e a Riogaleão, a ação teve por objetivo atender aos turistas que tiveram problemas em relações de consumo, na vinda ao Rio ou na estadia durante o feriado de carnaval.

O diretor executivo do Procon Carioca, Igor Costa, informa que a ordem é ampliar e agilizar o atendimento ao cidadão em toda a cidade.

– Neste período em que tivemos os desfiles de carnaval, houve um sensível aumento na movimentação dos aeroportos da cidade. O objetivo é sempre disponibilizar nossa equipe para dar celeridade à resolução das demandas. O direito do consumidor precisa ser respeitado – afirmou Igor.

O TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) determinou na segunda-feira (18) o bloqueio de bens do empresário Sidnei Piva de Jesus, do Grupo Itapemirim, e de todas as empresas abertas por ele desde o início da aprovação do plano de recuperação judicial, em 2016. A decisão busca garantir que o patrimônio não seja dilapidado a fim de garantir o pagamento de credores.

A Justiça também decretou o bloqueio das contas de Silvana dos Santos Silva, mulher de Piva. A informação foi divulgada inicialmente pelo jornal "O Globo" e confirmada pela reportagem do UOL.

O Grupo Itapemirim está em recuperação judicial desde 2016 e com dívidas tributárias de quase R$ 2 bilhões, conforme apuração do jornal "Folha de S.Paulo". Credores têm reclamado que o plano não está sendo cumprido e que a empresa desviou dinheiro das recuperandas para financiar a sua companhia aérea, ITA Transportes Aéreos, que suspendeu as operações no fim do ano passado, às vésperas do Natal e Ano-Novo.

Na decisão acessada pelo UOL, o juiz João de Oliveira Rodrigues Filho, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais, revela a sua preocupação com "eventual dilapidação de patrimônio e eventual conduta do sócio na gestão dos recursos e patrimônio das recuperandas".

"Assim, com a finalidade preventiva quanto a eventual intenção das recuperandas na pessoa de seu sócio, de eventual dilapidação do patrimônio em flagrante prejuízo aos credores sujeitos ao procedimento recuperacional, determino a indisponibilidade dos bens (...) bem como das empresas abertas durante o curso da presente recuperação judicial", acrescenta o magistrado, em seguida.

Na semana passada, em comunicado interno, a Itapemirim disse ter vendido a sua companhia aérea para a Baufaker Consulting. A mensagem foi assinada pelo presidente da companhia, Adalberto Bogsan, que confirmou a informação ao UOL. A EXM Partners, que administra o processo de recuperação judicial do grupo, reclamou que a transação não passou pelo juiz da recuperação judicial, o que contraria a lei.

Na decisão, o juiz João de Oliveira Rodrigues Filho justificou o bloqueio das contas de Silvana dos Santos Silva, esposa do empresário Sidnei Piva, pelo de que ambos ainda não estão separados "de fato" e pela suspeita sobre a sua participação na compra de um imóvel de luxo na Riviera de São Lourenço, região nobre de Bertioga (SP).

Em fevereiro, a Justiça já havia determinado o afastamento de Sidnei Piva do comando do Grupo Itapemirim, além do uso de tornozeleira eletrônica e a proibição de deixar o País. Mas, cerca de um mês depois, a 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do TJ-SP revogou a decisão anterior, e Piva conseguiu o direito de voltar ao comando da Itapemirim.

Por: Fábio Zanini

O deputado federal Felipe Carreras (PSB-PE) foi designado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para relatar a medida provisória que reduz a zero o imposto de renda para o arrendamento de aeronaves e motores.

Carreras foi escolhido a menos de um mês de a MP 1094/2021 caducar. Ela foi editada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) em 31 de dezembro como forma de estimular o turismo e a recuperação do setor aéreo. Pela regra, o texto perde a validade em 120 dias.

Lira quer pautar a proposta na próxima semana, entre o feriado da Semana Santa e de Tiradentes. Depois, ainda precisa ser analisada pelo Senado. A MP tem como objetivo ajudar as empresas do setor de aéreo comercial e de cargas com alíquota zero entre 2022 e 2023. Atualmente, o percentual praticado é de 15%. Para 2024, a MP prevê alíquota de 1%; para 2025, de 2% em 2025; e para 2026, de 3%.

De acordo com o governo, a aprovação da medida significará uma renúncia fiscal de R$ 374 milhões em 2022, de R$ 382 milhões em 2023, R$ 378 milhões em 2022, R$ 371 milhões em 2025 e R$ 158 milhões em 2026.

Carreras sustenta que a aprovação da matéria vai colaborar significativamente para reduzir custos do segmento e baratear os preços de passagens aéreas, sobretudo a malha comercial.

O Procon de São Paulo notificou as companhias aéreas Azul, Gol e Latam para que expliquem o aumento aplicado no despacho de bagagens. A resposta das empresas deverá ser encaminhada ao órgão até o dia 12 de abril. As informações são da Agência Brasil.

Segundo o órgão, as empresas terão que explicar os itens que compõem o valor da taxa de despacho de bagagem e quais deles serão cobrados do consumidor. Esses itens deverão ser discriminados individualmente. O Procon também pede informações sobre a relação de custo administrativo e custo de transporte que vão sofrer a aplicação do aumento.

Procurada pela reportagem, a Azul informou que, quando receber a notificação do Procon, "prestará os devidos esclarecimentos". Já a Latam e a Gol ainda não se pronunciaram sobre a notificação do órgão de defesa do consumidor.

As três companhias reajustaram os valores do transporte de bagagem para os voos domésticos e internacionais. Na Gol, as novas tarifas entraram em vigor na última terça-feira (5). Na Latam, o reajuste está em vigor desde o dia 14 de março. Na Azul, o novo valor está em vigor há um mês.

Para despachar uma bagagem em voo da Gol, o passageiro terá que desembolsar pelo menos R$ 95. Segundo a empresa, o aumento se deve "ao atual cenário de aumento de custos na aviação comercial, e ainda como forma de adequação aos valores praticados pelo mercado". Na Azul, a tarifa passou de R$ 80 para R$ 90 em voos domésticos. Já na Latam, o valor mínimo passou a ser R$ 75.

Siga-nos