Novo padrão adotado pela rede foi aprovado pela Incor e autitado pelo Bureau Veritas

A Atlantica Hotels amplia seu protocolo de saúde e higiene, criado antes do início da pandemia no Brasil com base nas diretrizes das redes hoteleiras internacionais que representa e sob orientação de um infectologista, e lança agora, o Manual de Diretrizes operacionais e o selo Atlantica Safe & Clean Protocol (AS&CP).

O objetivo é garantir proteção à vida, segurança e bem estar de hóspedes e colaboradores em todas as pontas da operação, visando o pleno funcionamento dos 83 hotéis que permanecem abertos e o momento da retomada das atividades do restante da rede, cuja expectativa da companhia é contar com 90% das unidades em funcionamento até julho deste ano.

“Em no máximo dois meses, devemos viver a reabertura da economia no Brasil, com a retomada da Hotelaria, que será caracterizada por um retorno lento da demanda, principalmente devido ao receio e ao medo em decorrência da falta de vacina ou de qualquer outro tratamento efetivo de combate à Covid-19. De qualquer forma, estamos preparados para dar uma resposta à altura das preocupações dos nossos clientes com relação aos processos de higienização na hospedagem e controle da pandemia na operação”, afirma Guilherme Martini, vice-presidente de Operações da Atlantica Hotels.

O manual da Atlantica prevê ações nos pilares mais importantes da operação hoteleira: reservas, recepção, governança, manutenção, A&B, áreas comuns, segurança, comunicação, pessoas, serviços, hóspedes e outras áreas. Os novos padrões rigorosos incluirão um programa de limpeza reforçado, incluindo, entre os principais procedimentos:

Reservas

Incentivo aos pagamentos por aproximação; confirmação das limitações operacionais do prédio no ato da reserva e pré-check-in;

Recepção

Desinfecção de malas; teste de temperatura para hóspedes; instalação de escudos de proteção no balcão da recepção; oferecimento de itens de proteção aos hóspedes; entrega de chaves higienizadas; incentivo de comunicação via whatsapp para relacionamento com o hóspede;

Governança

Uso de Equipamentos de Proteção Individual – EPIs pelos funcionários responsáveis pelos procedimentos de limpeza e desinfecção; intervalo de 24 horas entre check-out e acesso para limpeza e desinfecção do quarto; todos os enxovais do apartamento serão destinados à lavagem após check-out; kits de hospedagens estarão ensacados; limpeza de áreas comuns feitas de 2 em 2 horas ou sempre que houver grande fluxo de pessoas;

Manutenção

EPIs para a equipe de manutenção; renovação de ar aberta com a máxima capacidade;

A&B

Fechamento de restaurante para acesso do público externo; controle de acesso e readequação de espaçamento de mobiliário do restaurante; estímulo ao acesso ao cardápio de forma eletrônica (QR Code ou whatsapp); talheres embalados, louças e utensílios colocados à mesa somente na hora de servir; reforço às boas práticas de higiene e segurança alimentar;

Áreas Comuns

Academias e piscinas com uso com capacidade reduzida; demarcação de distância segura de pelo menos 1,5 metro em todos os espaços de área comum compartilhada;

Eventos

Salas de reunião e eventos com capacidade limitada (respeitando distanciamento o mínimo)

Segurança

Aplicação do protocolo para tratamento de casos suspeitos ou confirmados de COVID-19;

Comunicação

Sinalização educacional em todo o hotel para hóspedes com as recomendações de prevenção;

Pessoas

Implantação de sistema alternativo para marcação de ponto dos funcionários do hotel; reforço na higienização de área dos colaboradores; triagem na chegada dos colaboradores;

Hóspedes

Verificação diária da condição de saúde;

Outras áreas

Cuidados de limpeza e desinfecção de mercadorias no ato do recebimento; tratamento correto de resíduos e materiais recicláveis. 

Para elaboração deste novo protocolo, foram levados em consideração todos os materiais e diretrizes dos parceiros internacionais da Atlantica, os quais incluem Choice Hotels, Radisson Hotel Group, Hilton e Wyndham. “O manual passou também pela aprovação do Grupo de Crise COVID-19 do Instituto do Coração (InCor) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, especializado em controles de infecção”, afirma Martini. “Uma das maiores preocupações, além da eficácia científica das medidas, foi a de buscarmos um protocolo financeiramente viável para os hotéis, de forma a não ser necessário o repasse dos custos relacionados às tarifas”, complementa.

Para a garantia da aplicação das ações previstas no manual, a Atlantica firmou parceria com o Bureau Veritas, que auditará as inspeções rotineiras nas unidades da rede sobre os principais pontos da segurança. “Num universo de 5 mil funcionários, trabalhamos com um número de contaminados até o momento de 11 colaboradores, todos devidamente mapeados durante os primeiros sintomas da doença e com rápida recuperação, o que revela um sucesso em nossa maneira de operar. Mas, nos mantemos em alerta para erradicarmos qualquer possibilidade de contágio daqui pra frente”, declara Mark Campbell, diretor sênior de Operações.

Eduardo Giestas afirma que a reabertura dos hotéis não será uniforme e dependerá de cada praça. “A demanda será específica por região. Estamos atentos aos critérios de ocupação, de caixa e de saúde financeira do hotel, das regras e decretos locais, analisando as condições de cada hotel, caso a caso”, contextualiza Mark.

Siga-nos