Evento foi realizado na Casa de Campo do Royal Palm Plaza Resort, em Campinas, interior paulista
Na última segunda-feira, a Aviesp (Associação das Agências de Viagens Independentes do Interior do Estado de São Paulo) reuniu cerca de 500 profissionais no 4º Seminário Aviesp para Profissionais de Turismo. O evento foi realizado na Casa de Campo do Royal Palm Plaza Resort, em Campinas, interior paulista.

“Nosso objetivo foi abordar as tendências de mercado, ajudando as empresas do setor no rumo ao sucesso. Vivemos em uma época de muitas mudanças e precisamos nos atualizar e adequar. Faço um agradecimento especial aos agentes de viagens, associados ou não. As ações que realizamos no dia-a-dia são pensando na nossa categoria como um todo. Quando pudermos falar em nome dos 13 mil agentes do país, teremos resultados muito melhores que os registrados hoje”, afirma.

Em 2011, a Aviesp completa 30 anos e as comemorações serão realizadas durante um ano inteiro. “Muitos não imaginavam que a Aviesp poderia chegar hoje onde está. Ela surgiu de um grupo de pessoas que,desde o passado, pensava em união, compartilhar resultados positivos e se fortalecer”, afirmaPérico.

Uma crítica do presidente da Aviesp é a ausência do Ministério do Turismo nas ações da entidade. “O ministério passou por um problema sério nos últimos meses, mas mesmo após ser resolvido não contamos com sua participação em nada. Não podemos aceitar que ele desapareça, portanto fica aqui meu protesto”, afirma. “Também não concordo e admito a injustiça das companhias aéreas com a categoria, oferecendo tarifas diferenciadas nos portais das empresas”.

Mídias sociais

De acordo com Carlos Aldan, presidente do grupo Kronberg, estamos passando por um momento de grande ruptura e transição. “Ainda não sabemos quem serão os vencedores e perdedores dessa evolução na qual estamos inseridos. Precisamos revolucionar se quisermos passar por essa fase de grande turbulência”, afirma.

Atualmente o Facebook conta com 500 milhões de usuários ativos e o Twitter ganha 300 mil novas contas e gera 55 milhões de tweetspor dia, o que leva a uma mudança na forma de comunicação e também de compra. “As marcas, que levavam décadas para serem construídas, hoje podem ganhar força em questão de dias, assim como serem destruídas. Se antes os clientes insatisfeitos contavam seus problemas para dez pessoas, hoje o fazem para milhões. Além disso, o consumidor acredita mais na experiência de outros do que na propaganda de empresas”, diz Aldan.

Considerando o mercado de hospitalidade e turismo, 34% das empresas usam as redes sociais, o que representa um processo bastante avançado. O ato de tirar pedidos foi substituído pela internet e a habilidade necessária no momento é a de trabalhar o emocional do cliente, gerando valor a ele. “As redes sociais são fundamentais para que as pessoas acessem nosso negócio. Os conteúdos criados por consumidores levam a inúmeras experiências e interações, o que representa excelentes oportunidades para fidelização.
 

Siga-nos