Diversificação de nichos é o caminho proposto para atingir a meta


Depois de 2 anos da bem sucedida fusão com a gigante japonesa do turismo corporativo JTB, a Alatur JTB  nomeia Eduardo Kina  novo CEO da empresa. Especialista em fusões e aquisições, experiência que o colocou na posição de orientador para as negociações da Alatur JTB durante a aquisição de 51% da Quickly Travel em 2014, o executivo chega à nova posição com a missão de levar a empresa ao posto de maior conglomerado de viagens corporativas do país.

A Alatur JTB já é hoje, uma das três maiores agências de viagens corporativas do país. O faturamento previsto para 2015 é de R$ 1,7 bilhão, devendo chegar a R$ 5 bilhões até 2020. Para isso, além da nomeação de Eduardo Kina como presidente executivo da empresa, foi criado um conselho-executivo, composto pelos sócios da Alatur Ricardo Ferreira, Francisco Carpinelli e Marcos Balsamão e integrado também por Tetsu Susuki, apontado pela JTB.

As ações até 2018 implicam no investimento de R$ 27 milhões para fusões e aquisições e mais 13 milhões para tecnologia, nas plataformas de gestão e vendas. Além disso, um plano estratégico busca equilibrar os negócios provenientes do turismo corporativo, que hoje representam 75% do faturamento. A meta é buscar novos nichos, para que a conta equilibre forças entre o turismo corporativo e o segmento de eventos, viagens de incentivo e lazer, cada um na proporção de 50%.

O primeiro passo já foi dado, com a assinatura de termos de intenção de aquisição de duas agências de viagens corporativas, a  Jaraguá e a BSP, com intuito de fortalecer sua atuação no mid market, segmento já muito bem coberto pelas duas. “A BSP é especializada em empresas de médio porte e a Jaraguá tem forte presença no Sul do país. Manteremos as marcas, mas haverá integração às plataformas de vendas da Alatur JTB”, comenta Kina.

Apesar da retração financeira e econômica do país, as vendas da empresa este ano cresceram 14% em valor. O aumento das transações chega a 32%.

Siga-nos