Comissão de Turismo da Casa promove, mais uma vez, discussão para avaliar ações para a qualificação profissional e infraestrutura turística para os grandes eventos esportivos
Sérgio Nery, Brasília

A CTD (Comissão de Turismo e Desporto) mantém sua rotina forte de trabalhos voltados para o planejamento dos grandes eventos esportivos que o Brasil sediará nos próximos anos. A pauta de debates da vez foi voltada para a qualificação da mão de obra e melhoria da infraestrutura na área de turismo, além da geração de empregos que o setor pode gerar. O debate foi proposto pelos deputados André Figueiredo (PDT-CE) e Domingos Neto (PSB-CE).

Segundo o deputado Jonas Donizette (PSB-SP), presidente da CTD, a idéia é debater ações atuais e novas iniciativas para aproveitar da melhor maneira a realização dos eventos no Brasil. O deputado Domingos Neto (PSB-CE) lembrou a necessidade da matriz de responsabilidades e da divisão de tarefas para desenvolvimento de todo o setor e para o sucesso das empreitadas.    

Foram convidados para a audiência o presidente da ABIH Nacional (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), Enrico Fermi, o diretor de Relações Parlamentares da Abav (Associação Brasileira de Agências de Viagens), João Quirino Júnior, o gerente de projeto estratégico do Senac, Antônio Henrique Borges Paula.

O presidente da ABIH Nacional destacou a importância do setor hoteleiro para os eventos e afirmou que os principais legados que os eventos proporcionarão para o País são a visibilidade internacional, a mobilidade urbana e a capacitação profissional.  

A questão da qualificação profissional foi aprofundada por Antonio Henrique Borges, do Senac. Segundo ele, o Senac fez uma analise de diagnostico do mercado de trabalho para traçar uma programação de ações ate 2014.

Para Borges, os exemplos de sucesso de outros países devem ser analisados. “Além da reforma dos estádios e dos aeroportos, o que mais esperamos dos eventos? Atenas não teve legado, já que focou, prioritariamente, na parte esportiva. Já Barcelona teve a ousadia de colocar o turismo como matriz de desenvolvimento e teve sucesso. Vamos tirar proveito sim dos eventos, se mudarmos o foco. Essa mudança no olhar pode trazer legados para a população brasileira”, defendeu.     

O diretor de Relações Parlamentares da Abav Nacional, João Quirino Júnior ressaltou a necessidade da resolução da questão da flexibilização dos vistos de entrada de turistas internacionais no País e cobrou investimentos não apenas na infraestrutura aeroportuária, mas também portuária e rodoviária.  

Quirino destacou que a entidade tem trabalhado na capacitação dos agentes de viagens. “A Abav tem realizado projetos de qualificação profissional e já capacitamos 14 mil agentes de viagens. Visamos a melhoria da qualidade no serviço das micro e pequenas empresas, maior fatia do mercado das agencias de viagens. Entretanto, é preciso reciclar os profissionais já inseridos no mercado para que os gestores possam administrar todo o processo”, disse.

O debate contou também com a presença de Moacyr Auersvald, presidente da Contratuh (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade) e do presidente da Abremar (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos), Ricardo Amaral. O baixo quórum de parlamentares durante a audiência publica fez com que o debate fosse prejudicado. Apenas o deputado Carlaile Pedrosa (PSDB-MG), que presidiu a reunião, e o deputado Danrlei de Deus (PSD-RS) permaneceram até o final do encontro.
 

Siga-nos