O Brasil está em quarto lugar no ranking de emissores de visto para estudo na Austrália, ficando atrás somente da China, Índia e Coreia do Sul.


A Austrália é um dos destinos mais cobiçados pelos brasileiros que querem estudar no exterior. Conforme dados do Departamento de Imigração australiano, e tendo como referência o período de dezembro de 2011 até março de 2012, o Brasil está em quarto lugar no ranking de emissores de visto para estudo na Austrália, ficando atrás somente da China, Índia e Coreia do Sul.
Sydney é a cidade mais procurada do "continente-ilha", seguida de Brisbane e região da costa (Gold Coast, Sufers Paradise); Perth, na Costa oeste; e Melbourne, no estado de Victoria.
Mas as vantagens de estudar na Austrália vão além da possibilidade de encontrar lindas paisagens e um povo acolhedor.  Segundo a gerente de Educação da Agência de Promoção Comercial e Investimentos do Governo da Austrália, Patrícia Monteiro, em 2011 o governo da Austrália lançou a marca Future Unlimited (Future Sem Limites) para promover o sistema de educação do país e os resultados que podem proporcionar na vida pessoal e profissional do estudante. "Com instituições de ensino muito bem posicionadas e reconhecidas internacionalmente, uma educação australiana realmente oferece um futuro sem limites, com inúmeras oportunidades", destaca Patrícia.
E essa possibilidade torna-se ainda maior, porque o estrangeiro pode trabalhar legalmente na Austrália durante 20 horas por semana no período de aulas, e em tempo integral durante as férias, o que não acontece em muitos países.
Ainda conforme Patrícia Monteiro, 55,8% das matrículas feitas por estudantes brasileiros de janeiro a junho de 2012 foi para os cursos de inglês, seguidas dos cursos de ensino profissionalizante e técnico (36,6%) e ensino superior (6,5%).
Como tirar visto de estudante para a Austrália
Desde fevereiro de 2012 o governo australiano implantou um sistema eletrônico para emissão de visto para a Austrália. É preciso estar conectado ao site do Departamento de Imigração e Cidadania do país, onde os formulários serão preenchidos. A apresentação de documentos extras só será necessária em alguns casos.
Porém, a ajuda de um profissional faz toda a diferença na hora de solicitar o visto, já que o formulário apresenta vários questionamentos, e não pode haver nenhum erro ou incompatibilidade nas comprovações financeiras e de vínculos profissionais e sociais. Para completar, toda a comunicação é feita em inglês, e os comunicados e e-mails também devem ser respondidos neste idioma.
Por estes e outros motivos, o melhor é não correr o risco de ter o visto recusado, e ter que adiar a viagem, conforme recomenda Alexandre Luis Pedrosa, que é diretor da Infovistos (www.infovistos.com.br), uma das maiores empresas especializadas na emissão de vistos consulares. A dica é contar com a ajuda de quem já conhece os trâmites do processo de requerimento de visto para a Austrália e outros países, como é o caso da Infovistos.

Siga-nos