Primavera Editorial leva "bike feminista" para A Casa da Porta Amarela

Feira Literária Internacional de Paraty vai abordar a liberdade e homenagear a escritora Hilda Hilst. Abraçando essa proposta, a Primavera Editorial direciona a participação na FLIP para o protagonismo de novas vozes da literatura de emancipação e empoderamento feminino. A editora levará para A Casa da Porta Amarela– espaço para debater o mercado editorial, o futuro do impresso, a representatividade na literatura (e fora dela) e questões de gênero – obras de autoras como Meaghan O’Connell, Mayim Bialik, Sam Maggs e Joyce Moysés. Em uma bike feminista, os leitores terão acesso a textos instigantes e profundamente conectados com dilemas femininos antigos e contemporâneos.

 

 

Foto: Walter Craveiro/Flip

 

Segundo Lu Magalhães, presidente da Primavera Editorial, a inspiração para a criação da bike feminista veio da ciclista e jornalista norte-americana Annie Londonderry. Um dos 25 perfis destacados no livro Wonder Women, de Sam Maggs, mostra que Annie encontrou o caminho da emancipação, em 1890, graças a uma bicicleta. Na época, a bike se tornou símbolo internacional de uma “nova mulher”, que se opunha aos ideais Vitorianos; a “magrela” era classificada como um novo instrumento de poder. Quando uma mulher assumia o banco da bicicleta, a sensação de autoconfiança e independência a libertava das amarras sociais; a plena imagem de feminilidade não confinada; a mobilidade que abria mil novas possibilidades.

“Há uma frase muito interessante de Susan B. Anthony – que entrevistou Annie Londonderry, em 1896, para o New York Times –, na qual fala que a bicicleta fez mais para emancipar as mulheres do que qualquer outra coisa no mundo. Aos 23 anos, em 1894, Annie iniciou uma jornada audaciosa: uma volta ao mundo de bicicleta, em 15 meses. Toda a trajetória dessa mulher destemida é muito inspiradora e nos motivou a criar uma homenagem simples, mas significativa. Nossa bike feminista, repleta de livros com visões diferentes para um tema essencial, é a nossa resposta criativa à essa inspiração”, detalha Lu Magalhães.

A bike da Primavera Editorial ficará estacionada no espaço das editoras e autores independentes, em A Casa da Porta Amarela, na Rua da Cadeia.

Siga-nos