Investindo em inaugurações e lançamentos, rede cresceu em satisfação, ocupação e receita

Reabertura, lançamento e inauguração marcaram o primeiro semestre de 2018 da rede Samba Hotéis. A administradora, que tem em seu portfólio sete empreendimentos hoteleiros nos estados do RJ, PR e MG – onde concentra a maioria deles – fecha a conta dos seis meses divulgando um balanço positivo e completamente dentro das expectativas. 

De acordo com o CEO, Guilherme Castro, a rede alcançou, até o momento, um índice de satisfação dos clientes de 87%, com meta de chegar a 90% até o fim do ano. Comparando com o primeiro semestre de 2017, a ocupação aumentou 10%, enquanto a receita média subiu 20%.

Num breve resumo, o executivo destaca a reabertura do Samba BH Centro, em fevereiro, que após cinco meses fechado para retofit, voltou à operação totalmente de cara nova, num investimento que chegou a R$ 1,2 milhão. Entre o que foi feito, Guilherme chama a atenção para a reforma no mobiliário e aumento na gama de serviços, como instalação de restaurante, lounge e check in e check out express.

Um mês depois, a rede chamou a atenção do trade de turismo com uma proposta inédita de hotelaria no país: o lançamento de uma categoria de hotéis econômicos, modulados em contêineres, denominado Samba in the Box.

Em maio, a Samba Hotéis aumentou o portfólio, entrando como administradora do hotel Samba Lagoa da Prata by Gilberto Silva. O empreendimento fica em Lagoa da Prata, interior de MG, e pertence ao ex-atleta profissional de futebol e pentacampeão mundial, Gilberto Silva.

Midscale, o hotel possui duas torres, uma com quatro andares e com elevador panorâmico, e outra com 10 andares e sala para eventos. Na cobertura da maior torre fica o Restaurante 2002, onde temas referentes à conquista do pentacampeonato da Seleção Brasileira decoram o espaço. Para o ano, a previsão de faturamento da rede é chegar a R$ 35 milhões, com 13 empreendimentos sob sua administração.

 

Siga-nos