Municípios com mais mortes pelo coronavírus estão com maior nível de poupança

Com a redução e o posterior término do auxílio emergencial, esperados para os próximos meses, o controle das mortes pela covid-19 deverá ser o fator determinante na retomada do consumo, segundo estudo do Itaú divulgado em primeira mão à reportagem.

Conforme levantamento do banco com base em gastos presenciais com cartão de crédito, municípios com menores repasses governamentais e menor mortalidade estão tendo recuperação mais forte do consumo do que aqueles com mais repasses e mais mortalidade.

Além disso, os municípios com mais mortes pelo coronavírus estão com maior nível de poupança. Isso sugere que, se a mortalidade nesses locais for controlada, o aumento de gastos a partir dos recursos guardados pela população pode impulsionar a atividade à frente, ajudando a compensar a redução das transferências governamentais.

"Os resultados evidenciam que a recuperação da economia e o controle da pandemia são indissociáveis", afirma a equipe do Itaú, em relatório.

O Índice Itaú de Atividade - Consumo por Região (IDAT-CR), lançado nesta semana pelo banco, mostra com base em dados colhidos diariamente de 13 março a 21 de agosto que a recuperação da atividade econômica tem sido distinta entre as regiões.

"Enquanto o setor de bens de consumo já atingiu níveis pré-pandemia no Nordeste, o consumo nas outras regiões não se recuperou, sendo o Sudeste a região com o pior desempenho", observam os economistas.

Já em serviços, atividades que dependem mais da redução do distanciamento social, nenhuma região retomou o nível anterior ao agravamento da crise, mas também aqui Nordeste e Norte têm desempenho melhor do que as demais regiões.

Segundo os economistas do Itaú, dois fatores explicam essa dinâmica: no Nordeste e no Norte, novas mortes estão em queda e em menor patamar que nas demais partes do país.

Além disso, os municípios das duas regiões tiveram maior repasse do auxílio emergencial como proporção do PIB.

O auxílio teve sua primeira parcela distribuída em abril, com valor de R$ 600, que podia chegar a R$ 1.200 para mães solteiras, e previsão inicial de três meses. Foi estendido com o mesmo valor por mais dois meses, até agosto, e agora deve ir até dezembro, com valor reduzido a R$ 300.

Numa análise ainda mais detalhada, a nível municipal, os economistas separaram municípios com maior e menor repasse do auxílio, e dentro de cada um desses subgrupos, aqueles com maior e menor mortalidade.

Como seria esperado, as cidades com maior repasse da ajuda e menor mortalidade têm a recuperação mais forte.

Mas o que mais chama a atenção é que o consumo de municípios com menor repasse e menor mortalidade está acima dos com maior repasse e maior número de mortes.

"Muita gente fala que é só o auxílio e que a hora que ele acabar o consumo cai. Não é só isso. O que mostramos é que a retomada do consumo está relacionada também à dinâmica do vírus", diz Júlia Gottlieb, economista do Itaú.

"Quando o vírus está muito forte, há tanto o medo das pessoas de sair para consumir como restrições dos governos ao funcionamento de serviços que requerem aglomeração, caso de bares, restaurantes, salões de beleza, cinemas", diz Luka Barbosa, também economista do banco. "Tínhamos uma intuição de que, à medida que o vírus fosse desacelerando, haveria efeito na atividade. Os dados corroboram essa percepção."

A analista Claudia Bruschi destaca outro fator que leva a equipe à avaliação de que a dinâmica da pandemia será o fator mais relevante na retomada da atividade à frente: os municípios que mais receberam repasses como proporção de seus PIBs e que apresentam recuperação mais forte até agora têm pequena participação na economia nacional.

Isso também ajuda a explicar por que essas cidades estão com o nível de consumo quase 50% acima do período pré-pandemia: são municípios em geral de menor renda, nos quais o consumo caiu menos mesmo antes da distribuição do auxílio, porque os rendimentos de seus habitantes são mais comprometidos com o consumo de itens essenciais, como alimentos.

Por fim, os economistas analisaram a dinâmica das aplicações em poupança nas cidades com mais e menos mortes pela covid-19.

Dados até maio mostram que municípios com maior número de mortes acumuladas por habitante tinham então nível da caderneta 12% maior do que em março, e os municípios com menos mortes, apenas 7% acima.

Barbosa destaca que, no país como um todo, a poupança das famílias deve chegar a 19% da renda em 2020. O patamar é bastante fora da curva, já que entre 2010 e 2018 esse percentual costumava rodar em torno de 10% a 12%, tendo subido para 13,5% em 2019.

"Uma parte dessa poupança é precaucional, as pessoas poupam porque o desemprego subiu e a situação econômica está pior", diz.

"Mas o principal motivo pelo qual essa poupança subiu é o vírus, com as pessoas gastando menos devido ao distanciamento social, tanto entre os de classe baixa que receberam o auxílio quanto entre os de classe alta", avalia, destacando que o menor gasto tem afetado principalmente o consumo de serviços.

Assim, à medida que o vírus desacelerar, o Itaú estima que a poupança deva cair para 14% da renda em 2021. Com isso, o banco projeta alta de 3,7% do consumo no próximo ano, após queda de 6% em 2020.

"Em 2021, teremos um efeito que contribui negativamente para a retomada do consumo que é a redução das transferências de renda", diz Barbosa.

Em sua avaliação, mesmo que o Bolsa Família seja expandido com a criação do Renda Brasil, os patamares de transferência serão menores do que os atuais, já que o nível de 7% o PIB ao ano do auxílio é considerado insustentável do ponto de vista fiscal.

"Mas há outros dois vetores positivos: queda da poupança, devido à esperada desaceleração do vírus, e a recuperação do mercado de trabalho. Considerando esses três fatores, avaliamos que o resultado líquido para o consumo no próximo ano deve ser positivo."

Apesar do crescimento projetado para 2021, Barbosa diz que tanto o PIB brasileiro como o consumo só devem retomar o nível pré-pandemia na metade de 2022.

"A dinâmica das transferências importa, o auxílio importa, mas não é só isso: a dinâmica do vírus é importante. Em municípios com mortalidade menor, o consumo vem voltando mais. Por isso, à medida que a epidemia for controlada é que haverá uma queda da taxa de poupança, dando impulso à atividade", conclui Julia.

Siga-nos