Por: Rafael Balago

O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciará nesta quinta (2) novas medidas de combate ao coronavírus a serem adotadas pelo país, incluindo mudanças nos protocolos de entrada de viajantes internacionais.

Agora, será necessário apresentar um teste de Covid-19 com resultado negativo realizado na véspera do embarque. Atualmente, o exame pode ser feito até três dias antes da viagem.

A medida, que deve começar a valer na próxima semana, atinge todos os viajantes internacionais, que também precisarão estar completamente vacinados para entrar nos Estados Unidos.

Biden anunciará todas as medidas oficialmente na tarde desta quinta, mas parte delas foi antecipada à imprensa pela Casa Branca. O governo busca dar uma resposta em meio ao avanço da variante ômicron, potencialmente mais contagiosa, que teve o primeiro caso registrado nos EUA na quarta (1º).

Para os viajantes, haverá também uma ampliação na exigência do uso de máscaras em aviões, trens e transporte público, até 18 de março de 2022. A multa mínima em caso de descumprimento da regra será de US$ 500 (R$ 2.817) e poderá chegar a US$ 3.000 (R$ 16,9 mil) em caso de reincidência.

Ao todo, o plano terá nove pontos, com destaque para a ampliação da distribuição de doses de reforço das vacinas. Elas serão oferecidas a todos os adultos e deverão ser tomadas seis meses após a segunda dose dos fármacos de Pfizer e Moderna, e dois meses depois da aplicação da dose única da Janssen. O reforço será oferecido em 80 mil pontos, e mais de 41 milhões de pessoas já receberam a dose extra.

O governo também ampliará a vacinação de crianças a partir de cinco anos de idade, para dar mais segurança para as escolas permanecerem abertas -no país, 99% dos centros de ensino estão com aulas presenciais, segundo a Casa Branca. Há planos ainda para garantir que empresas continuem abertas e para a realização de campanhas para que mais empregadores cobrem a imunização de funcionários.

Biden também deve exigir que os planos privados de saúde reembolsem todos os 150 milhões de clientes que pagam por esse serviço no país com 100% do custo de testes caseiros, segundo funcionários da Casa Branca à agência de notícias Reuters -a regra não valerá retroativamente. O governo também deve disponibilizar 50 milhões de testes gratuitos em clínicas rurais e centros de saúde para não segurados.

Para ajudar o tratamento de infectados pelo coronavírus, a administração do democrata terá equipes médicas de resposta rápida, a serem enviadas aos estados onde houver alta súbita de casos.

A Casa Branca promete ainda aumentar o acesso a medicamentos para tratar a Covid e garantir que novas drogas aprovadas cheguem rapidamente a todo o país. No cenário internacional, o governo Biden deve se comprometer a acelerar a doação de vacinas. Os EUA falam em fornecer 1,2 bilhão de doses a outras nações, sendo que 200 milhões seriam entregues nos próximos cem dias.

Há, também, a perspectiva de expandir a produção de imunizantes no exterior, bem como acelerar a adaptação de vacinas para a nova variante, caso seja necessário. Estudos ainda estão sendo feitos para aferir a capacidade dos imunizantes atuais de conterem a ômicron.

A Assembleia Nacional da França aprovou, nesta quarta-feira (20), o projeto de lei que permite a prorrogação da exigência dos passaportes de saúde até 31 de julho de 2022. O texto ainda precisa do aval do Senado na próxima quinta-feira (28).

O documento prova que seu titular já recebeu o esquema completo de vacinas contra a Covid-19 ou teve recente resultado negativo em testes de detecção da doença. O passe tem sido exigido em locais como bares, restaurantes e instalações esportivas, por exemplo.

A data em julho é o prazo máximo para a obrigatoriedade do passaporte de saúde, que pode ser suspenso antes se indicadores como taxa de vacinação, proporção de testes positivos e disponibilidade de leitos de UTI assim o permitirem.

Desde agosto, manifestantes contrários à exigência têm ido às ruas do país em protestos, embora o volume dos atos tenha caído gradualmente nas últimas semanas.

A falta de consenso sobre o tema ficou evidente durante a votação na Assembleia. O projeto todo foi aprovado com 135 votos a favor e 125 contra após dois dias de discussões acaloradas no Parlamento. O artigo específico que possibilita a prorrogação do passe até julho de 2022 teve votação ainda mais acirrada: 74 votos favoráveis e 73 contrários.

Até esta quinta-feira (21), a França registrou mais de 7,2 milhões de casos e 118 mil mortes por Covid-19, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.

O Qatar inaugurou oficialmente, nesta terça-feira (30), o estádio Al Bayt, que receberá a abertura da Copa do Mundo, no dia 22 de novembro de 2022. A arena construída na cidade de Al khor, ao norte do país, e a quase 50 km de Doha, tem capacidade para 60 mil pessoas. Entre os oito estádios do Mundial, ele é o mais distante do centro da capital. O nome do local tem o significado de casa.

O seu formato é inspirado em tendas que os povos nômades costumavam instalar pela região. O Al Bayt também reúne um hotel cinco estrelas, com 96 dormitórios. O estádio só não tem capacidade maior de público em comparação com o Lusail, previsto para acomodar 80 mil torcedores e palco da decisão do título do torneio entre seleções. Além de receber a primeira partida da Copa-2022, o Al Bayt vai sediar confrontos válidos pelas oitavas de final, quartas e semi.

Nesta terça, o Al Bayt foi inaugurado com o duelo entre a seleção anfitriã e o Bahrein, que começou às 13h30 (de Brasília), pela Copa Árabe. O time da casa venceu por 1 a 0. Às 16h (de Brasília), o jogo entre Emirados Árabes e Síria marca a inauguração de outro estádio, o Ras Abu Aboud, conhecido como 974. Este, construído na região portuária de Doha, tem estrutura composta por contêineres.

Com esses dois estádios entregues, restará apenas a abertura do Lusail, que será palco da grande final do Mundial de 2022. Porém, não há data de inauguração até o momento.
A intenção da Fifa é que a Copa Árabe sirva como evento-teste para a Copa.

Ricardo Della Coletta e Raquel Lopes (Folhapress)

Diante do aumento do número de brasileiros tentando entrar de modo ilegal nos EUA, o governo do México decidiu voltar a exigir visto de entrada de cidadãos do Brasil que queiram entrar no país como visitantes.

Um anteprojeto da determinação foi publicado nesta quinta-feira (14) no site da Comissão de Melhora Regulatória, órgão do governo mexicano. Atualmente, para entrar no México com o objetivo de fazer turismo, os brasileiros precisam apenas apresentar o passaporte.

Depois de um fluxo de migrantes reduzido em 2020 devido à pandemia da Covid-19, a quantidade de brasileiros tentando entrar de forma ilegal nos EUA explodiu neste ano.

Segundo dados do Serviço de Alfândega e Proteção das Fronteiras (CBP, na sigla em inglês), foram mais de 47 mil apreensões entre outubro de 2020 e setembro de 2021. De acordo a Polícia Federal, só em agosto 9.000 pessoas foram presas na travessia do México para os Estados Unidos.

O texto do anteprojeto diz que foi identificado um "aumento substancial" de brasileiros que ingressam no país "com finalidade distinta da permitida" como visitante temporário -ou seja, para turismo ou negócios.

Os brasileiros, assim como muitos imigrantes centro-americanos, costumam voar até o México para, dali, tentar cruzar a fronteira terrestre com os EUA.

"Parte dessa situação é refletida nos controles migratórios, com a identificação de pessoas cujo perfil não se ajusta ao de visitante ou de turista genuíno e que apresentam inconsistências na documentação, robustecendo a possibilidade que um número significativo de pessoas que pretendem usar a não exigência de vistos de forma indevida", diz o documento da Secretaria de Governo do México.

O documento estabelece que a exigência de visto valerá a partir de 15 dias da publicação da nova norma.

Com mais de 50% da população com esquema vacinal completo contra a Covid-19, o Brasil vê cada vez mais fronteiras se abrirem para seus turistas. Em São Paulo, por exemplo, a imunização tem sido tão eficiente quanto em países ricos com alta cobertura vacinal.

Em todo o estado, 87% da população adulta já havia sido completamente vacinada até o último dia 27, mais do que no Reino Unido (86%), Alemanha (79%) e Estados Unidos (75%). Considerando o país como um todo, 71,88% da população já tomaram a 1ª dose, enquanto 52,06% receberam ambas ou a vacina de dose única.

Veja aqui uma lista dos 27 países da União Europeia e alguns dos principais da América Latina que autorizam ou não a entrada de turistas brasileiros atualmente.

ALEMANHA

São permitidos apenas turistas brasileiros com esquema vacinal completo. É preciso apresentar o certificado de vacinação finalizado 14 dias antes da viagem e certificado da EU, ou comprovante comparável em alemão, inglês, francês, italiano ou espanhol. Pessoas que se infectaram podem viajar com apenas uma dose, porém, além do certificado de vacinação, também devem apresentar RT-PCR positivo (a contaminação não pode ter ocorrido há mais de seis meses).

Os não vacinados ou com apenas uma dose só poderão viajar caso tenham direito a residência de longa duração. Estes deverão apresentar os documentos citados acima e RT-PCR negativo feito no máximo há 72 horas, ou antígeno coletado até 48 horas antes.

Menores de 12 anos não precisam apresentar quaisquer comprovantes.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Janssen, Moderna e AstraZeneca.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; comprovar o objetivo da viagem; recursos financeiros suficientes para sua duração; e, apesar de não obrigatório, a embaixada recomenda que seja contratado um seguro de saúde.

Saiba mais: https://brasil.diplo.de/br-pt/coronavirus/2320108

ÁUSTRIA

O Brasil faz parte da lista de países proibidos de entrar na Áustria sem escalas para quarentena. Entretanto, caso o viajante já se encontre em território Schengen há pelo menos dez dias, sua entrada é permitida. Caso contrário, é preciso fazer quarentena de dez dias, apresentar teste RT-PCR negativo e registro eletrônico do formulário disponibilizado no site da embaixada.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Janssen, Moderna, Astrazeneca e Coronavac.

O viajante precisa ter um passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país com uma página de visto em branco; bilhete de ida e volta; documentos solicitados para o próximo destino; comprovar renda suficiente; contratar seguro saúde válido para todo o território Schengen.

Saiba mais: https://www.bmeia.gv.at/br/embaixada-da-austria-em-brasilia/viajar-para-austria/corona-virus-covid-19-e-viagens/

BÉLGICA

São permitidos apenas turistas brasileiros com esquema vacinal completo. Apresentar certificado europeu de vacinação contra a Covid-19; certificado brasileiro emitido em inglês de vacinação completa 14 dias antes da viagem; formulário de localização de passageiro preenchido até seis meses antes da chegada na Bélgica; e submeter-se a um teste RT-PCR no 1º ou 2º dia após a chegada. Os acompanhantes entre 12 e 18 anos devem apresentar RT-PCR negativo realizado 72 horas antes da chegada na Bélgica em holandês, francês, alemão ou inglês, e submeter-se a teste RT-PCR no 7º dia após a chegada ao país.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Janssen, Moderna e AstraZeneca.

O viajante precisa ter um passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; bilhete de ida e volta; comprovante de recursos financeiros e de hospedagem; e seguro viagem.

Saiba mais: https://brazil.diplomatie.belgium.be/pt-br

BULGÁRIA

O país proibiu a entrada de turistas brasileiros. São aceitos apenas estudantes com visto de longa estada.

Saiba mais: https://www.tourism.government.bg/en/kategorii/covid-19/aktualizirana-informaciya-za-ptuvashchite-pri-vlizane-v-republika-blgariya

REPÚBLICA TCHECA

São permitidos apenas turistas brasileiros com esquema vacinal completo. É necessário preencher o formulário de localizador de passageiros; contratar o seguro saúde com cobertura contra a Covid-19; e apresentar certificado de vacinação.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Janssen, Moderna e AstraZeneca.

O viajante precisa ter um passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; bilhete de ida e volta; comprovar propósito de viagem e renda suficiente para a estada; e documentos do próximo destino.

Saiba mais: https://www.mzv.cz/jnp/en/index.html

CHIPRE

De acordo com o consulado do Chipre, turistas brasileiros devem preencher o formulário CYPRUS FLIGHT PASS. A partir deste, as autoridades sanitárias irão autorizar ou não a entrada.
O passaporte de permanência de 90 dias é suficiente para entrada no país.

Saiba mais: https://cyprusflightpass.gov.cy/

CROÁCIA

A entrada de turistas brasileiros só é permitida com reserva ou alojamento pago em hotel, acampamento, locatário privado ou embarcação alugada e outra forma de alojamento turístico -ou seja, proprietário de casas ou navios no país. O turista deve apresentar RT-PCR negativo de até 72 horas; certificado de vacinação completa passados 14 dias desde a segunda dose; certificado de recuperação da Covid-19 e uma dose da vacina no prazo de oito meses após contrair o vírus. Além disso, é preciso apresentar certificado de recuperação emitido por um médico, ou o viajante precisará se submeter, na chegada, ao autoisolamento de dez dias.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Janssen.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país com uma página em branco; bilhete ida e volta; comprovação de hospedagem e renda suficiente; e documentos solicitados para o próximo destino.

Saiba mais: https://mup.gov.hr/uzg-covid/english/286212

DINAMARCA

O turista brasileiro deve realizar um teste dentro de 24 horas após a chegada ao país e isolar-se por dez dias, mesmo estando totalmente vacinado. Estão isentos destas restrições os infectados anteriormente com comprovação de teste RT-PCR positivo há mais de 14 dias e até um ano atrás, ou com certificado de vacinação considerado equivalente ao certificado europeu.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Janssen.

O viajante precisa ter um passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país com uma página de visto em branco; bilhete de ida e volta; comprovar propósito de viagem e renda suficiente para a estada; e documentos do próximo destino.

Saiba mais: https://en.coronasmitte.dk/travel-rules

ESLOVÁQUIA

Apenas viajantes brasileiros que apresentarem certificado internacional válido com esquema vacinal completo podem entrar no país. O documento deve estar em eslovaco, tcheco ou inglês. Também é necessário apresentar RT-PCR negativo emitido nas 72 horas antes da chegada e preencher o formulário eHranica. A quarentena de dez dias é obrigatória.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Janssen.

O viajante precisa ter um passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país com uma página de visto em branco; bilhete ida e volta; documentos do próximo destino; documentação de renda suficiente para a estada; e comprovação do motivo da viagem.

ESLOVÊNIA

Brasileiros com esquema vacinal completo não têm restrição de entrada e deverão apresentar teste de RT-PCR negativo coletado até 72 horas antes da viagem e resultado do teste HAG negativo 48 horas antes de embarcar. Caso já tenha sido contaminado, é obrigatório o certificado de recuperação de infecção (prova de teste RT-PCR positivo com mais de dez dias ou atestado médico). Nos outros casos, é preciso apresentar certificado de vacinação comprovando o tempo de vacinação; certificado digital europeu de COVID-19 em formato digital ou papel; certidão digital de Covid-19 do Brasil em formato digital ou papel.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Janssen e Coronavac.

O viajante precisa ter um passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; comprovação de recursos financeiros; e seguro médico internacional.

Saiba mais: https://www.gov.si/en/

ESPANHA

São permitidos apenas turistas brasileiros com esquema vacinal completo. Deve-se providenciar certificado de vacinação completo escrito em espanhol, inglês, francês ou alemão, e preencher, 48 horas antes da viagem, formulário de declaração de saúde. Menores de 12 anos não precisam de certificado.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Janssen e Coronavac.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; documento comprobatório do alojamento emitido pela Esquadra de Polícia correspondente ao local de hospedagem; confirmação da reserva de viagem organizada (com itinerário) e bilhete de ida e volta ou circuito turístico.

Saiba mais: http://www.exteriores.gob.es/Embajadas/BRASILIA/es/Paginas/inicio.aspx

http://www.exteriores.gob.es/Consulados/SAOPAULO/es/Consulado/Paginas/Articulos/RESTRICCIONES-DE-ENTRADA-A-ESPA%c3%91A-Y-REGLAS-SANITARIAS-A-LA-LLEGADA-A-ESPA%c3%91A.aspx

Formulário de declaração de saúde: https://www.spth.gob.es/

ESTÔNIA

Apenas aqueles que apresentarem certificado comprovando esquema vacinal completo emitido em inglês, russo ou estoniano, ou que tenham se contaminado nos últimos seis meses, podem entrar no país sem cumprir os requisitos de quarentena, teste ou registro de entrada. Já os não vacinados devem ficar em quarentena por dez dias e apresentar RT-PCR negativo realizado até 72 horas antes da chegada na Estónia. Todos são obrigados a preencher o formulário de localização de passageiro 24 horas antes.

Vacinas autorizadas: Pfizer, AstraZeneca, Moderna e Janssen.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; comprovante dos voos de entrada e saída do país; seguro saúde; documentos exigidos para o próximo destino e comprovante de renda suficiente para todo o período de permanência.

FINLÂNDIA

Apenas brasileiros acima de 16 anos completamente vacinados são autorizados a fazer turismo. O viajante precisa apresentar o comprovante sete dias após a segunda dose ou dose única em inglês; comprovante de teste de RT-PCR negativo emitido em até 72 horas da chegada; laudo com diagnóstico de Covid-19 nos últimos seis meses (caso infectado).

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Janssen e Coronavac.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; bilhete de volta com data marcada; seguro de viagem (com cobertura de 30.000 euros); 30 euros por dia; cartão de crédito internacional.

Saiba mais: https://finlandabroad.fi/web/bra/atualidades/-/asset_publisher/h5w4iTUJhNne/content/koronavirus-brasiliassa/384951

FRANÇA

São permitidos apenas turistas brasileiros com esquema vacinal completo. Devem estar municiados de formulário de declaração apresentando que não tiveram sintomas de infecção da Covid-19 ou tido contato com pessoas que testaram positivo para a doença (a partir de 11 anos de idade); comprovante de vacinação completa sendo sete dias após a segunda dose, quatro semanas desde a dose única e sete dias após dose de reforço aos que se imunizaram com a Coronavac.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, Astrazeneca, Janssen e Coronavac.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; bilhete de ida e volta; documentos solicitados para o próximo destino; documentos que comprovem o propósito da viagem; comprovar renda suficiente para a estada.

Saiba mais: https://riodejaneiro.consulfrance.org/Passe-sanitario-para-estrangeiros-e-estudantes-de-fora-da-UE-na-Franca


GRÉCIA
Por ora, a entrada de brasileiros se encontra proibida.

HUNGRIA

A entrada de turistas brasileiros ainda se encontra proibida.

Saiba mais: https://saopaulo.mfa.gov.hu/page/cidadaos-brasileiros

PAÍSES BAIXO/HOLANDA

Turistas brasileiros devem apresentar declaração de vacina Covid-19 disponível no site do governo; comprovante de vacinação com esquema vacinal completo de 14 dias desde a segunda dose ou 28 dias da dose única, além de resultado negativo de teste.

Vacinas autorizadas: AstraZeneca, Pfizer, Moderna, Janssen e Coronavac.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; bilhete de ida e volta; documentos solicitados do próximo destino; comprovação de propósito da viagem e renda suficiente para a estada.

Saiba mais: https://www.government.nl/topics/coronavirus-covid-19/visiting-the-netherlands-from-abroad

https://www.holandaevoce.nl/


IRLANDA

Além do certificado de vacinação completa com pelo menos 15 dias após a segunda dose, e 14 dias para dose única, os viajantes deverão apresentar RT-PCR negativo realizado nas últimas 72 horas antes da chegada. Já os sem esquema vacinal completo deverão realizar quarentena em um hotel por 14 dias, e apresentar um teste RT-PCR negativo realizado até 72 horas antes do embarque. Todos devem preencher o formulário de localização de passageiro. Menores de 12 anos devem apresentar teste de RT-PCR negativo emitido 72 horas antes da partida e serão solicitados a cumprir autoquarentena por 14 dias.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, Janssen e AstraZeneca.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; comprovar hospedagem; bilhete de ida e volta; e renda suficiente relacionada à duração da estada.

Saiba mais: https://www.gov.ie/en/

ITÁLIA

É proibida a entrada de brasileiros sem vínculo com a Itália e pessoas que transitaram no país 14 dias antes da viagem.

Saiba mais: https://consriodejaneiro.esteri.it/consolato_riodejaneiro/pt/la_comunicazione/dal_consolato/emergenza-covid-19-coronavirus.html

LETÔNIA

É proibida a entrada de turistas brasileiros.

LITUÂNIA

Nenhum teste ou requisitos de isolamento são aplicados aos turistas totalmente vacinados após 14 dias com segunda dose ou dose única. Dos não vacinados ou recuperados, é exigida a apresentação de teste negativo antes da chegada, e isolamento voluntário de dez dias.

Vacinas autorizadas: Janssen, Pfizer, Moderna e AstraZeneca.

O viajante precisa ter um passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; bilhete de ida e volta; renda durante a permanência; seguro saúde válido para todo o território Schengen; documentos solicitados para o próximo destino.

Saiba mais: https://www.lithuania.travel/en/news/covid-19-in-lithuania-information-for-tourists

LUXEMBURGO

É proibida a entrada de brasileiros.

Saiba mais: http://consuladoluxemburgo.com.br/

MALTA

É proibida a entrada de brasileiros.

Saiba mais: https://www.visitmalta.com/en/

POLÔNIA

É proibida a entrada de turistas brasileiros.

Saiba mais: https://www.strazgraniczna.pl/pl/cudzoziemcy/covid-epidemia-koronawi

PORTUGAL


Não é preciso estar vacinado ou fazer quarentena. Basta apresentar teste RT-PCR ou antígeno com 72 horas ou 48 horas de antecedência, respectivamente.

Vacinas autorizadas: Janssen, Pfizer, Moderna e AstraZeneca.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir da data de saída do país; documento comprobatório de alojamento e meios financeiros de acordo com a estada (equivalente a 75 euros por cada entrada em território nacional, acrescidos de 40 euros por dia de permanência); bilhete ida e volta.

Saiba mais: https://consuladoportugalsp.org.br/

ROMÊNIA

O turista brasileiro pode entrar na Romênia independentemente de estar ou não vacinado. Caso não esteja, deve ficar em quarentena por 14 dias. Todos devem preencher a declaração on-line do coronavírus Covid-19 (https://chestionar.stsisp.ro/) e a Declaração de Localizador de Passageiros. Já para as crianças, o teste RT-PCR negativo só é exigido para a faixa de três a 16 anos, 72 horas antes da data de entrada.

Vacinas autorizadas: Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Janssen.

O viajante precisa ter passaporte válido por seis meses a partir de sua data de saída do país e uma página de visto em branco; bilhete ida e volta; comprovação de hospedagem e renda suficiente para o período da estada; documentos do próximo destino.

Saiba mais: https://romaniatourism.com/travel-advisory.html


SUÉCIA

É proibida a entrada de brasileiros.

Saiba mais: https://polisen.se/en/

AMÉRICA LATINA


ARGENTINA
Os aeroportos da Argentina voltaram a aceitar turistas estrangeiros desde o último dia 1º.

Até este momento, são permitidos apenas turistas brasileiros com esquema vacinal completo. Apresentar RT-PCR negativo realizado até 72 horas antes do embarque e certificado de vacinação completa (de 14 dias antes do embarque); seguro com cobertura Covid-19; teste RT-PCR realizado após cinco dias no país. Menores sem vacinação completa devem realizar quarentena.

Vacinas autorizadas: Astrazeneca, Pfizer, Janssen e Coronavac.

Apenas o documento de identidade é suficiente.

Saiba mais: https://ebras.cancilleria.gob.ar/

BOLÍVIA

Os viajantes devem apresentar teste RT-PCR negativo para Covid-19 realizado até 72 horas antes da chegada, seguro saúde com cobertura para Covid-19 e um formulário de saúde. É preciso cumprir isolamento por 10 dias.

Vacinas autorizadas: Pfizer e AstraZeneca.

Apenas o documento de identidade é suficiente.

CHILE

Só poderão entrar turistas brasileiros com passe de mobilidade chilena (certificado de vacinação validado no Chile) com cinco dias de isolamento e travessias de fronteira (países de fronteira aberta) municiados de declaração juramentada de viajantes; teste RT-PCR negativo de até 72 horas até o horário de saída do voo ou de mesmo período desde a coleta até a chegada com entrada terrestre (crianças de até dois anos são isentas deste requisito); seguro médico de saúde.

Vacinas autorizadas: Moderna, Pfizer, Janssen, AstraZeneca e Coronavac.

Apenas o documento de identidade é suficiente.
Saiba mais: https://chile.gob.cl/chile/ingreso-a-chile-desde-el-exterior

COLÔMBIA


Todos os turistas brasileiros, independentemente de idade, devem apresentar o RT-PCR negativo até 96 horas antes do voo e preencher o formulário Check-mig na página Migración Colombia, entre 24 horas e 1 hora antes da viagem.

Vacinas autorizadas: Astrazeneca, Pfizer e Coronavac.

Apenas o documento de identidade é suficiente.

Saiba mais: https://www.colombia.travel/es

URUGUAI

Até o dia 1º de novembro, o país permanecerá fechado para brasileiros. Depois desta data, será preciso estar com esquema vacinal completo. Serão exigidos RT-PCR negativo realizado até 72 horas antes da viagem; certificado de vacinação; seguro de assistência com cobertura específica para Covid-19.

Vacinas autorizadas: Astrazeneca, Pfizer, Janssen e Coronavac.

Apenas o documento de identidade é suficiente.
Saiba mais: https://turismo.gub.uy/

Mayara Paixão (Folhapress)

Em junho de 2009, eram anunciados em Portugal, após uma sequência de shows que incluiu a brasileira Daniela Mercury, os sete monumentos espalhados pelo mundo que, a partir de então, também seriam lembrados como maravilhas de origem lusitana.

Em comum, todos os nomes da lista tinham o fato de terem sido construídos durante a expansão marítima portuguesa, iniciada no século 15. A iniciativa para a competição nascera da fundação New 7 Wonders, baseada na Suíça, e teve apoio da administração pública portuguesa. Cerca de 240 mil pessoas participaram da votação, na qual disputavam 27 monumentos de 16 países.

Ao final, foram escolhidos: Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência (Minas Gerais, Brasil), Igreja e Convento de São Francisco (Bahia, Brasil), Fortaleza de Diu (Índia), Fortaleza de Mazagão (Marrocos), Basílica do Bom Jesus (Índia), Cidade Velha de Santiago (Cabo Verde) e Ruínas de São Paulo (Macau).

Apesar da participação popular, à época algumas críticas também se levantaram. O ponto de tensão era a exaltação do passado português no discurso da identidade nacional em detrimento do presente. O antropólogo João Leal, professor da Universidade Nova de Lisboa, foi um dos que apontaram críticas.

Hoje, à Folha, ele sustenta o argumento. "No fundo disso está um discurso das elites, mas que acaba por ser popular: a ideia de que hoje somos um país pequeno, mas já fomos um país grande."

O discurso em relação aos descobrimentos e à expansão marítima portuguesa, diz Leal, ainda carece de um contrapeso que fale da violência –como a escravidão–, e não apenas da exaltação do período.

"E o poder político não tem feito o que é necessário para encarar essa realidade de forma complexa, para que não se olhe apenas para as zonas de luxo, mas também para as zonas de sombra", observa.

Mas faz um adendo: a crítica não exclui a importância de valorizar as sete maravilhas, muitas vezes recurso turístico para os países em que se localizam. O importante, diz, é que os monumentos sejam apresentados ao visitante não apenas como um registro heroico, mas contem a história mais complexa da colonização portuguesa. "É importante que os próprios monumentos estejam ligados a centros de pesquisa que contem a história –o que já acontece em muitos deles."

Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência (Minas Gerais, Brasil)

Mais do que parte da história da colonização portuguesa e das ordens religiosas no país, o monumento, localizado na cidade de Ouro Preto, é reconhecido em razão de Antônio Francisco Lisboa (1738 - 1814), o Aleijadinho, arquiteto e escultor brasileiro que por mais de 20 anos trabalhou no edifício, imprimindo a marca do barroco mineiro.

A Ordem Terceira de São Francisco foi fundada em 1746 no país, na Capela do Bom Jesus dos Perdões; dez anos depois, já contava com mais de mil adeptos. Em 1766, teve início a construção da igreja pelo mestre de obras Domingos Moreira de Oliveira, natural da cidade do Porto. Quatro anos depois, Aleijadinho começa a trabalhar no projeto, que também contou com pintura do mineiro Manuel da Costa Ataíde (1762 - 1830), o Mestre Ataíde.

Em 1938, foi tombada pelo recém-criado Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, precursor do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). A igreja também faz parte do itinerário do Museu Aleijadinho, pertencente à Paróquia Nossa Senhora da Conceição, Arquidiocese de Mariana.

Cidade Velha (ilha de Santiago, Cabo Verde)

Com frequência descrita por autoridades do arquipélago de Cabo Verde como o "berço da nação cabo-verdiana", a cidade foi a primeira aglomeração urbana construída pelos portugueses na região dos trópicos, em 1462, dois anos após aportarem e começarem a povoar o conjunto de ilhas. Foi, ainda, a primeira capital de Cabo Verde –até que perdeu o posto para a cidade de Praia, também na ilha de Santiago.

A região foi inicialmente batizada de Ribeira Grande e, ao longo dos séculos 16 e 17, usada como entreposto do comércio escravagista no Atlântico. Ali paravam navios com homens e mulheres capturados na costa da África para reabastecer até que pudessem seguir viagem para a Europa ou a América. Ainda que Cabo Verde seja historicamente marcado por dificuldades no acesso à água, em razão de secas cíclicas, a proximidade de Cidade Velha de uma fonte de água a favoreceu.

As construções urbanas foram erguidas por mão de obra cativa e, entre as poucas que se mantêm em pé, está a igreja de Nossa Senhora do Rosário, onde pregou o padre jesuíta António Vieira (1608-1697). Em 2009, Cidade Velha foi tombada como Patrimônio Imaterial da Humanidade.

Ruínas de São Paulo (Macau)

Ponto turístico da região administrativa especial de Macau, na China, as ruínas são formadas pelo que restou de um complexo religioso que alojava a Igreja da Madre de Deus, erguida entre 1601 e 1640, e o Colégio Jesuíta de São Paulo. Um incêndio consumiu a maior parte dos edifícios em 1835, o que fez com que os muros fossem postos abaixo, para não representar perigo à população, restando apenas a fachada.

Ocupada por Portugal desde a segunda metade do século 16, Macau seguiu como território ultramarino português até 1999. Ordens religiosas, como a de franciscanos, dominicanos e jesuítas, atuaram na região. O Colégio de São Paulo é considerado a primeira instituição de ensino superior ocidental em território chinês, na qual eram formados missionários para o Japão e para a China.

Basílica do Bom Jesus em Goa (Índia)

Inaugurada em 1605 em Velha Goa, então capital da ocupação portuguesa na Índia, a basílica foi encomendada pela ordem religiosa dos jesuítas em 1594. Foi construída com o objetivo de abrigar as relíquias de São Francisco Xavier (1506-1552), que foram transferidas em 1624.

A estética do edifício teve inspiração nas construções arquitetônicas europeias, mas é celebrada em Goa por ter sido feita com materiais e mão de obra locais. A basílica sobreviveu mesmo depois que Portugal expulsou os jesuítas de Goa, em 1759.

Apesar da importância do monumento, moradores locais temem que ele entre em colapso devido à ação da água das fortes chuvas das monções, que tem erodido a construção. Em entrevista à agência de notícias Lusa em janeiro, o padre Patrício Fernandes, responsável pelo local, disse que a fragilidade da estrutura foi desencadeada durante a ditadura de António Salazar (1932 - 1968), que retirou parte da argamassa da basílica para fazê-la parecer ainda mais antiga.

Igreja e Convento de São Francisco (Bahia, Brasil)

Considerado uma das construções mais importantes dos franciscanos no Brasil, o conjunto começou a ser erguido em 1686, quase um século após a ordem religiosa se estabelecer no estado da Bahia.

Primeiro, foram construídos os dormitórios dos frades; depois, a partir de 1708, a capela-mor e a igreja. Mesmo incompleta, a igreja, construída com a doação de moradores locais, foi aberta em 1713, e a estrutura foi concluída em 1723. Teve início, então, a ornamentação interna, que hoje atrai muitos turistas.

Na capela-mor estão dois altares –um em devoção a Nossa Senhora da Conceição, outro a Santo Antônio de Lisboa– e também uma lâmpada de prata de quase dois metros de altura. Os azulejos do espaço são provenientes de Lisboa e apresentam passagens da vida de São Francisco.

O monumento conta com um pátio interno, cercado por passagens com painéis de azulejos portugueses, sem autoria conhecida, apresentando cenas mitológicas, e é aberto à visitação do público.

Fortaleza de Diu (Índia)

Localizada na ilha indiana de Diu, a fortaleza foi construída pelos portugueses para defender o crescente comércio de especiarias no século 16. Após tentativas malsucedidas de ataques militares para conquistar o local, Portugal, potência marítima, enfim estabeleceu uma aliança com o governo local para ajudar a defender Diu do império Mogol. Com isso, obteve permissão para construir um forte e colocar seus homens nele.

O território permaneceu sob controle português por mais de quatro séculos, de 1537 a dezembro de 1961, até o governo indiano lançar uma ofensiva militar –conhecida como Operação Vijay– e reconquistar a área.

Cercada por água, a fortaleza possui um cais que ainda é usado. É possível ver os canhões espalhados por todo o parapeito do local. O espaço está atualmente sob a administração do governo indiano.

Fortaleza de Mazagão (El Jadida, Marrocos)

Hoje parte da cidade marroquina de El Jadida, a antiga ocupação portuguesa em Mazagão, que resultou na construção de uma fortaleza, está situada a 90 quilômetros de Casablanca, maior cidade do país. O forte colonial lusitano foi erguido no início do século 16 na costa do Atlântico e reconquistado pelos marroquinos em 1769.

A ocupação foi uma das primeiras dos portugueses na costa ocidental do continente africano em busca de uma rota marítima até a Índia e alcançou rápido desenvolvimento urbano, levando também a construção de quatro igrejas e várias capelas dentro da fortaleza.