Por Jéssica Carvalho*

O Canadá é um dos países mais diversos do mundo. Mesmo com a pandemia, continua incentivando a entrada de estrangeiros pela necessidade de manter o equilíbrio econômico. São mais de 40 programas de imigração para residência permanente, com a expectativa de atrair mais de 1 milhão de imigrantes até 2023.

Atrativos para encarar a mudança, não faltam. De acordo com uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Canadá ocupa a sexta posição no ranking dos 10 melhores lugares para se viver no mundo. Contudo, quem deseja ter um endereço definitivo no país precisa se preparar. Veja os cinco passos fundamentais antes de arrumar as malas.

#1 Passaporte e visto: passaporte com validade acima de seis meses e visto são os primeiros itens fundamentais antes de pensar em imigração. Há vários tipos de visto, mas para quem deseja imigrar, o mais indicado é começar pelo visto estudantil, o Study Permit. Ele tem validade mínima de seis meses e é direcionado às pessoas que vão estudar no Canadá, seja em High School, Universidades ou Colleges. Para solicitá-lo, é necessário realizar a aplicação online, com todos os seus documentos pessoais, uma carta de aceitação do curso pela devida instituição e comprovação financeira de acordo com as regras do visto. Além disso, uma das etapas é a realização da biometria e exame médico. Com todos esses documentos entregues, o tempo médio para a aprovação do visto é de três meses, com validade de acordo com o programa escolhido.

#2 Escolher o destino: diversas cidades no Canadá possuem toda a infraestrutura necessária e de qualidade para receber imigrantes e proporcionar ótimas oportunidades de trabalho. Dentre elas, Toronto, Montreal e Vancouver são algumas das maiores e favoritas dentre os imigrantes – afinal, possuem algumas das maiores e mais conceituadas instituições de ensino, amplas oportunidades de emprego por serem grandes metrópoles, vida cultural e opções de entretenimento, fácil locomoção e, ainda, uma ótima qualidade de vida, com baixos índices de violência. Inclusive, o país é considerado como um dos mais seguros do mundo, ocupando o oitavo lugar em 2019 pelo Global Peace Index (Índice Global da Paz). Analise qual delas lhe parece mais interessante para seus objetivos.

#3 Escolha do programa: Os programas mais atrativos para quem quer se mudar ao Canadá são os técnicos acima de 6 meses, pois esses permitem trabalhar enquanto o aluno estuda. O Canadá demanda profissionais de várias áreas e, obviamente, as mais cobiçadas costumam ser mais favoráveis àqueles que desejam morar definitivamente por lá. Entre as áreas com mais oportunidades estão as de tecnologia, com opções de programas para desenvolvedores, programadores e gerentes de TI. Contar com o apoio de uma agência de intercâmbios é fundamental para encontrar o curso certo e o caminho mais rápido para imigrar.

#4 Arrume um trabalho: alguns programas de ensino no Canadá oferecem a possibilidade de trabalho em conjunto com os estudos – e ainda, oportunidades de visto de trabalho para cônjuges e escola pública gratuita para filhos em idade escolar. Enquanto estuda, o aluno pode trabalhar por até 20 horas semanais. Quando conclui seu curso, pode solicitar o PGWP (Post-Graduation Work Permit), que lhe garante visto de permanência no país por mais oito a até três anos, além de autorização para trabalhar 40 horas semanais. Para solicitá-lo, é necessário ter estudado em instituições de ensino autorizadas e elegíveis ao visto., e que concedam grau, diploma ou certificado.

#5 Visto permanente: a grande maioria dos programas de imigração para o Canadá – seja para estudos ou com trabalho em conjunto – são estabelecidos por meio de vistos temporários. Contudo, é possível solicitar um visto permanente, no qual cada província irá determinar suas regras e procedimentos a serem seguidos, de acordo com o programa escolhido. Dentre eles, o mais comum é o Express Entry (EE), um sistema online do governo canadense que abrange três programas de imigração federal: Federal Skilled Worker Program, Federal Skilled Trades Program e Canadian Experience Class. Cada um deles abrange perfis específicos a serem elegíveis e, ao se candidatar, cada pessoa receberá uma nota com base em sua idade, proficiência de inglês e/ou francês, formação, experiência de trabalho, entre outros. Quanto maior for sua nota, maior a chance de conseguir um visto permanente.

Embora o processo de imigração seja simples, muitas pessoas acabam desistindo desse sonho por não conseguirem bancar seus estudos no Canadá até conquistarem o visto permanente. Felizmente, há diversas opções de bolsas e financiamentos para brasileiros. Uma das opções é o programa da SEDA e Revelo, com inscrições até 30 de maio. Os interessados podem se inscrever neste link: http://bit.ly/seda-revelo. Essas facilidades são fundamentais para impulsionar a imigração para esse que é um dos países mais abertos a estrangeiros no mundo.

*Jéssica Carvalho é gerente de Produtos SEDA Intercâmbios.

Redação

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA - International Air Transport Association) apoia o número cada vez maior de países que, com base em dados e evidências, decidiram abrir suas fronteiras a viajantes vacinados. Os dados mais recentes coletados pela IATA, incluindo seu serviço Timatic, mostram que mais de 20 países suspenderam total ou parcialmente as restrições para viajantes vacinados.

A IATA apoia o acesso sem restrições a viagens para viajantes vacinados. Para os casos em que a vacinação não for possível, deve ser garantido o acesso a viagens sem quarentena por meio de estratégias de teste da COVID-19 gratuitos e amplamente disponíveis.

A Alemanha está entre os países que recentemente aliviaram as medidas de quarentena para viajantes vacinados. Estes não estão mais sujeitos às medidas de quarentena (exceto quando provenientes de alguns países de alto risco). A Alemanha também revogou os requisitos de quarentena para passageiros com resultado negativo no teste da COVID-19.

A decisão do governo alemão veio após uma análise e parecer científico do mundialmente renomado Robert Koch Institute (RKI), que concluiu que os viajantes vacinados deixaram de ser agentes significativos na disseminação da doença e não representam um grande risco para a população alemã. Especificamente, a declaração afirma que a vacinação reduz o risco de transmissão de COVID-19 para níveis abaixo do risco de um teste rápido de antígeno com resultado falso negativo.

A adoção desta política alinha a Alemanha às recomendações da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu, com base em pareceres científicos semelhantes do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC em inglês). Em suas orientações preliminares sobre os benefícios da vacinação completa, o ECDC diz que, "com base na evidência limitada disponível, a probabilidade de uma pessoa vacinada infectada transmitir a doença é atualmente avaliada como muito baixa a baixa."

Conclusões semelhantes também foram relatadas do outro lado do Atlântico. Nos Estados Unidos, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (US CDC) observaram que, "com uma vacina 90% eficaz, o teste pré-viagem, o teste pós-viagem e a quarentena de 7 dias fornecem um benefício adicional mínimo."

"O objetivo é a reabertura segura das fronteiras para viagens internacionais. Para isso, as evidências e os dados científicos, como esses apresentados pelo RKI, ECDC e USC CDC, devem ser a base para a tomada de decisão. As evidências científicas indicam que a vacina não apenas protege as pessoas, mas também reduz drasticamente o risco de transmissão da COVID-19. Com isso, estamos perto de um mundo onde a vacinação e os testes permitirão a liberdade de viajar sem quarentena. A Alemanha e pelo menos 20 outros países já deram um passo importante para a reabertura de suas fronteiras aos viajantes vacinados. Estes são exemplos de boas práticas para outros países adotarem rapidamente", disse Willie Walsh, Diretor Geral da IATA.


Incentivo importante para a vacinação

De acordo com o US CDC, as reduções das restrições relacionadas à COVID-19 são um forte incentivo para a vacinação, particularmente em comunidades onde há hesitação em relação à vacina. Este é um benefício adicional e importante de viagens sem restrições para quem se vacinar. Uma pesquisa da IATA indica que 81% dos viajantes internacionais desejam se vacinar para poder viajar. Além disso, 74% das pessoas na mesma pesquisa concordaram que as pessoas vacinadas deveriam poder viajar de avião sem restrições.

Soluções digitais para certificados de vacinação/teste

A decisão de aceitar viajantes vacinados sem medidas de quarentena tomada por um número cada vez maior de países aumenta a pressão por uma solução digital para gerenciar os certificados de vacinas e os resultados dos testes de COVID-19. Os processos em papel podem aumentar o tempo de check-in e controle de fronteiras; além disso, estão sujeitos a fraudes. Certificados digitais de vacina e teste e aplicativos de passageiros, como o IATA Travel Pass, serão necessários para gerenciar de forma eficiente e segura as credenciais de saúde em viagens durante a retomada.

Uma pesquisa recente da IATA mostra forte apoio a uma solução digital.

• 89% das pessoas apoiam certificados de vacinação e teste de COVID-19 globalmente padronizados.
• 84% das pessoas querem um aplicativo para gerenciar suas credenciais de saúde em viagens.

"Está se abrindo uma lacuna entre os países que respondem às evidências científicas e aqueles que demonstram falta de preparo ou cautela excessiva na reabertura das fronteiras. Os países que aproveitarem a oportunidade oferecida pelo número crescente de viajantes vacinados podem proteger suas populações e obter benefícios econômicos", disse Walsh.

Siga-nos